Home / Filhos / Educação e comportamento / 80% das crianças até 3 anos não frequentaram escola em 2012 – IBGE

80% das crianças até 3 anos não frequentaram escola em 2012 – IBGE

bercos-agenciabrasilDe cada dez crianças de até 3 anos de idade, aproximadamente oito não frequentavam creche ou escola em 2012. Os dados divulgados hoje (29) pela Síntese de Indicadores Sociais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entretanto, mostra que a taxa de escolarização das crianças nesta faixa etária quase dobrou, entre 2002 e 2012, ao passar de 11,7% para 21,2%.

O estudo mostra também que as desigualdades continuam altas em relação ao acesso à educação infantil. Em 2012, a proporção de crianças com idade entre 2 e 3 anos que frequentavam creche era quase o triplo para o quinto da população mais rica (63%) em relação ao quinto mais pobre (21,9%) da distribuição de rendimento mensal familiar per capita.  Em 2002, a razão era 4,1 vezes maior: 48,6% e 12%.

Na faixa etária de 4 a 5 anos de idade, a taxa subiu de 56,7% para 78,2%, em dez anos,  embora, na área rural, uma em cada três crianças na faixa etária não frequentasse escola no ano passado. Entretanto, as desigualdades de acesso por renda familiar para as crianças do segmento etário são ainda maiores: 92,5% das crianças dos 20% “mais ricos” tinham acesso à escola, ante 71,2% das crianças que são filhas dos 20% “mais pobres”.

O estudo destaca também que no âmbito da educação houve aumento na proporção de jovens entre 18 e 24 anos que estavam na universidade em dez anos, que passou de 9,8% em 2002 para 15,1% em 2012. Já a desigualdade por cor ou raça continua: enquanto 66,6% do total de estudantes brancos de 18 a 24 anos frequentavam o ensino superior, 37,4% dos estudantes pretos ou pardos
cursavam o mesmo nível.

Flávia Villela
Fonte: Agência Brasil

Sobre Almanaque dos pais

Conteúdo produzido pela equipe do Almanaque dos pais.

Veja também

soluco-do-bebe

Soluço do bebê: é normal soluçar todos os dias? Como parar?

Entenda o que causa o soluço do bebê, como evitá-los, como parar com os soluços e quando o soluço é um sinal de alerta e deve ser investigado pelo médico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.