Home / Mamãe / Saúde / O Câncer e a fertilidade

O Câncer e a fertilidade

Barra-guest-post

Luta contra o câncer: IVI facilita acesso para a preservação da fertilidade

ESTUDOS INDICAM QUE PASSAR POR UM CÂNCER AUMENTA EM 30% O DESEJO DE TER FILHOS BIOLÓGICOS

– Paciente de câncer em idade reprodutiva deve questionar em que grau o tratamento pode afetar a sua fertilidade
– Ter um projeto de vida ajuda a ver a doença como algo transitório

SÃO PAULO, 7 DE ABRIL DE 2014

“Além de receber o diagnóstico de câncer, quem passa por esta doença deve enfrentar outra situação complicada: após o tratamento de quimioterapia/radioterapia a capacidade de ter filhos pode ser comprometida” – comenta Dra. Silvana Chedid, especialista em reprodução humana e diretora do IVI São Paulo. “A primeira preocupação é superar a enfermidade, porém com o aumento das expectativas de cura do câncer, também é importante estar informado sobre os efeitos colaterais do tratamento. Pensando nisso o IVI dispõe de um Programa de Preservação da Fertilidade, para que quando os pacientes superem o câncer, tenham a possibilidade de terem filhos com seus próprios gametas (óvulos ou espermatozoides)” – conclui a diretora.

Principalmente para jovens entre 25-35 anos, a primeira decisão a tomar antes de iniciar o tratamento contra o câncer é congelar seus gametas (óvulos ou espermatozoides) para preservar a possibilidade de ter filhos no futuro. Esta decisão deve ser tomada sempre com a orientação do oncologista. Preservar a fertilidade também tem sido confirmado como algo positivo para o equilíbrio emocional dos pacientes, porque eles passam a ver a doença como algo temporário, gerando sentimentos de esperanças e planos futuros.

Estudos¹ publicados na revista da Sociedade Americana de Medicina reprodutiva (ASRM), indicam que a experiência de câncer aumenta em 30% o desejo de ter filhos. Também foi revelado por um estudo² do serviço de oncologia do Hospital Clínico e Universitário de Valência a pacientes de câncer de mama, que conservar o potencial reprodutivo melhora a qualidade de vida durante e após a enfermidade, pois visualizar o futuro motiva e produz tranquilidade.

“O processo de preservação da fertilidade é bastante simples no caso do homem, basta coletar e vitrificar uma amostra de sêmen em laboratório, por outro lado a mulher precisará de mais tempo, pois o método mais utilizado de preservação de fertilidade feminina requer um período de estimulação ovariana que dura em torno de 12 dias.” – explica Dra. Genevieve Coelho, especialista em reprodução humana e diretora do IVI Salvador.
vitrificaçãoInteressados em preservar fertilidade por razões oncológicas têm prioridade no IVI, que oferece um programa de acesso à preservação em condições facilitadas. Interessados podem entrar em contato com IVI São Paulo através do telefone (11) 3266 7733 ou IVI Salvador (71) 3014 9999.

O que é fundamental saber sobre o tratamento de câncer e a infertilidade?

– Nem todos perderão a capacidade reprodutiva, mas o fato da menstruação não desaparecer não é sinônimo de fertilidade. Embora se recupere a função ovariana, a qualidade ovocitária pode estar abaixo do ideal.
– O número de folículos primordiais que sobrevivem após a exposição à quimioterapia depende de fatores como a idade, o tipo de câncer, o agente utilizado (quimio ou radioterapia), a dose e o número de ciclos.
– No homem, estes tratamentos danificam as células precursoras dos espermatozoides nos testículos, além de causar alterações nos mecanismos intratesticulares de espermatogênese e frequentemente resultam em infertilidade temporária ou esterilidade permanente.

Fontes:

¹ – C. Sáez-Mansilla, R. Costa-Ferrer, L. Carmona-Saborido, T. Sáez, A. Pellicer, M. Sánchez. Infertility and cancer in young women. Psychological features. ASRM. 2009; p. 344.

² – Begoña Bermejo, Vicenta Almonacid y Ana Lluch. Aproximación clínica de la toma de decisiones sobre fertilidad en pacientes de cáncer de mama. Psicooncología. Vol. 7, Núm. 2-3, 2010, pp. 287-297

Guest Post escrito por IVI

Sobre o IVI

Com sede em Valência, na Espanha, o Instituto iniciou suas atividades em 1990. Possui 24 clínicas, em 7 países e é líder europeu em medicina reprodutiva. O grupo conta com uma divisão genética (IVIOMICS), uma Fundação, um programa de Docência e Carreira Universitária.

Desde 2010 está no Brasil, em Salvador e desde 2012, o instituto chega a São Paulo. Em ambas as ocasiões, através de parcerias com especialistas já consagradas no país (respectivamente Dra. Genevieve Coelho e Dra. Silvana Chedid).

Sobre Autor Convidado

Artigo escrito por um autor convidado. Mais informações sobre o autor você encontra no final texto acima.

Veja também

gravida-dentes-02-by-dentistkilkenny-ie

Sensibilidade nos dentes? Saiba tudo sobre ela

Você já sentiu um “choquinho” no dente ao tomar algo gelado ou quente? Você pode ter hipersensibilidade dentinária, conhecida como sensibilidade nos dentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.