Home / Filhos / Educação e comportamento / Papai Noel e a importância da fantasia no desenvolvimento da criança

Papai Noel e a importância da fantasia no desenvolvimento da criança

Barra-guest-post

O Natal está chegando e, com ele, também vem toda a empolgação das crianças pela chegada do Papai Noel. Na escola, nas lojas ou na rua, tudo remete à figura do Bom Velhinho, que não se esquece de ninguém. Mas, mesmo sabendo que esse personagem faz um monte de criança feliz, de vez em quando bate aquela dúvida se é correto alimentar essa fantasia. Devemos deixar nossos filhos acreditarem em um personagem inventado, que mais tarde será desmascarado? A fantasia e a imaginação fazem parte das fases do desenvolvimento infantil, e é por meio delas que a criança começa a entender e a se relacionar com o mundo.

Foto: gardener41
Foto: gardener41

Quem convive com crianças pequenas já sabe: elas realmente acreditam que Papai Noel existe. Escrevem cartinha pedindo presente, fazem desenhos mostrando como funciona a fábrica no Polo Norte e ilustram como é sua viagem, na noite de Natal, em um trenó puxado por renas. A cada ida ao shopping, juram que encontraram com o autêntico Bom Velhinho. Mas, aos poucos, com o passar da idade, começam a surgir alguns rumores que colocam toda essa fantasia a perder: “meu irmão me disse que Papai Noel não existe”. E nós, pais, nos sentimos culpados, ficamos mal na história, afinal, deixamos nossos filhos acreditarem nesta mentira. Mas não é bem assim, essa mentira é do bem.

Através da figura do Papai Noel, as crianças embarcam em um mundo de fantasia e entram em contato com valores fundamentais para seu desenvolvimento. Nesta fase, elas começam a diferenciar coisas boas e ruins, aprendem a controlar suas emoções, como, por exemplo, sua ansiedade e acham soluções para seus conflitos.

O Papai Noel, como também o Coelhinho da Páscoa, exerce um papel importante na formação infantil. Acreditar nessas fantasias e, mais tarde, descobrir a verdade, faz parte de um processo de encantamento e amadurecimento. Por causa desses personagens, e até mesmo de outros personagens que permeiam as histórias infantis, como os três porquinhos, o lobo mau e as princesas, as crianças passam a entender certas regras sociais e estruturas do funcionamento da nossa sociedade que estarão presentes durante toda sua vida.

E como lidar com o fim da fantasia? Cada vez mais, os pais têm estabelecido relações horizontais com seus filhos. Nós conversamos mais com eles do que nossos avós conversavam com nossos pais. Por isso, nos sentimos culpados em deixá-los acreditar em mentiras. Mas, não se preocupe. No momento em que eles entenderem que, desde o início, quem dava o presente era você, ou outras pessoas do círculo familiar, as crianças vão compreender naturalmente valores ligados ao afeto e à generosidade.

Na hora que a fatídica pergunta “Papai Noel existe?” aparecer, jogue a resposta de volta para seu filho: “o que você acha?”. E, assim, ele vai chegar naturalmente a suas próprias conclusões. Mesmo sabendo da verdade, a fantasia do Natal vai continuar e, um dia, ele vai lembrar com saudade de quando acreditava naquele personagem e vai repetir essa brincadeira com outras crianças mais novas, mantendo a tradição, a magia e o encantamento do Natal.

Guest Post produzido por OMO.

Sobre Autor Convidado

Artigo escrito por um autor convidado. Mais informações sobre o autor você encontra no final texto acima.

Veja também

soluco-do-bebe

Soluço do bebê: é normal soluçar todos os dias? Como parar?

Entenda o que causa o soluço do bebê, como evitá-los, como parar com os soluços e quando o soluço é um sinal de alerta e deve ser investigado pelo médico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.