Home / Gestação e parto / O que você precisa saber / Quais são os exames de sangue do pré-natal

Quais são os exames de sangue do pré-natal

A menstruação atrasou, você realizou o teste de farmácia ou o beta-HCG e descobriu que está gerando uma vida aí mesmo, dentro de você. Um misto de emoções como felicidade, medo, insegurança e euforia tomam conta da futura mamãe e uma das primeiras providências é agendar sua primeira consulta pré-natal com um ginecologista obstetra que além de uma série de perguntas, também solicitará uma série de exames para saber como anda a sua saúde e a do bebê. É nesta hora que você se depara com uma série de pedidos, incluindo uma extensa lista para exame de sangue. Mas afinal, quais são os exames de sangue do pré-natal e para que servem?

Foto: Wojciech Wolak
Foto: Wojciech Wolak

Acompanhe abaixo quais são os exames de sangue do pré-natal, quando deverá realizar cada um deles e para que serve cada pedido.

Quando é realizado o exame de sangue do pré-natal?

Este exame é solicitado na primeira consulta pré-natal e geralmente é repetido no segundo e terceiro trimestre ou de acordo com a conduta do obstetra

O que é avaliado?

– Tipagem sanguínea:

Para saber o tipo de sangue (A, B, AB ou O) e se a gestante possui RH positivo ou negativo. Saiba mais.
Este exame é solicitado na primeira consulta e não precisa ser repetido.

– Hemograma completo:

Verificar níveis de hemoglobina para saber se a grávida está com anemia (falta de ferro) e identificar como está o sistema imunológico e infecções. Apresentando cansaço ou outros sintomas de anemia o obstetra pode solicitar novos exames durante a gestação para avaliar se será necessário prescrever suplementos ou aumentar o consumo de carne vermelha e verduras com folhas verdes e escuras).
A gestante precisa de jejum de 3 horas.
O exame é solicitado na primeira consulta pré-natal e é repetido em outros estágios da gestação.

– Hepatite B e C

Tanto a Hepatite B quanto a C podem ser transmitidas para o bebê que se torna portador da doença que afetar gravemente seu pequeno fígado. Existe a possibilidade da gestante ser portadora do vírus da hepatite sem saber, por isso a importância do exame.
Se o exame for positivo, o bebê poderá receber anticorpos ao nascer e, assim, evitar danos.

– Glicemia:

O exame para glicemia verifica os níveis de glicose presentes no sangue para avaliar os riscos de diabetes gestacional. As chances de desenvolver o diabetes gestacional aumentam quando há histórico na família ou se a grávida estiver acima do peso. Saiba mais sobre diabetes gestacional e riscos para gestante e bebê.
Existem dois tipos de exame para glicemia: o de glicemia em jejum, em que a gestante não poderá ingerir nenhum alimento por pelo menos 8 horas antes do exame; o exame da curva glicêmica, em que a gestante precisará ingerir açúcar duas horas antes de realizar o exame.
O exame é solicitado na primeira consulta pré-natal e repetido na 16ª semana de gestação.

– Sorologia para HIV

Este exame é realizado para descobrir se a mãe é soropositiva para HIV, ou seja, se tem chances de desenvolver a AIDS. Se o resultado for positivo a gestante deverá ser tratada para evitar que o vírus passe para o bebê prejudicando o seu sistema imunológico. Outra ação a ser tomada é sobre o parto, pois o bebê não poderá entrar em contato com o sangue da mãe.
Para a realização do exame, que é solicitado na primeira consulta pré-natal, o laboratório solicitará que a gestante assine um termo autorizando sua realização.

-Sorologia para VDRL (Sífilis)

Este exame é realizado para descobrir se a mãe está contaminada com a bactéria da sífilis que é uma doença adquirida por vias sexuais e que pode prejudicar diversos órgão do bebê inclusive seu coração, além de afetar o sistema nervoso, provocar malformações, aborto e parto prematuro.
Se a mãe tem lúpus, existe a chance do resultado dar um falso positivo, por esta razão exames complementares são solicitados caso o resultado seja positivo.
O exame é solicitado na primeira consulta pré-natal.

– Toxoplasmose

O exame é para descobrir, através de anticorpos presentes em seu corpo (IgG e IgM), se a futura mamãe teve algum contato com o protozoário Toxoplasma gondii. Com essa análise é possível identificar se o contato com a doença foi há muito tempo ou recente. A toxoplasmose, que é transmitida por alimentos e fezes de gato pode causar malformações no bebê porque ataca e destrói seus tecidos.
Para a realização deste exame é necessário jejum de 8 horas.
Este exame é solicitado na primeira consulta pré-natal e repetida no terceiro trimestre.

– Rubéola

Assim como a toxoplasmose, o exame é realizado para descobrir se a futura mamãe teve algum contato com essa doença através de anticorpos presentes em seu corpo (IgG e IgM). Com essa análise é possível identificar se o contato com a doença foi há muito tempo ou recente. A rubéola pode causar complicações neurológicas, perda da audição e cegueira no bebê.
Em decorrência das campanhas de vacinação, ou mesmo por já terem pego rubéola quando criança, a grande parte das mulheres já são imunes à esta doença, ou seja, não há risco de novo contágio ou consequências para o bebê.
Para realizar este exame é necessário jejum de 3 horas.
Este exame é solicitado na primeira consulta pré-natal e repetido no terceiro trimestre.

– Citomegalovírus (CMV)

De acordo com o resultado e histórico do paciente poderá ser necessário repetir o exame em outros estágios da gestação, pois o citomegalovírus, um vírus da família do herpes, não tem cura mas pode se encontrar em estágio latente, onde a chance de contágio do bebê é de cerca de 40%, ou adormecido. Quando se encontra no estágio adormecido ele poderá ficar ativo quando o sistema imunológico da mãe fica debilitado provocando a chamada infecção decorrente, neste estágio a chance de contaminar o bebê é de 1%. O citomegalovírus pode causar malformações no bebê, retardo mental e surdez.
Como esta infecção geralmente não provoca nenhum sintoma da mulher, a única forma de descobrir o contágio é através do exame de sangue.
Este exame é solicitado na primeira consulta pré-natal e poderá ser repetido em outro momento de acordo com o resultado do exame ou critério do médico.

Exames não obrigatórios, porém podem ser solicitados de acordo com o critério do médico:

Herpes
Dosagem de hormônios da tireoide
Pesquisa de trombofilias congênitas

Clique na semana de gestação abaixo e acompanhe a sua Gravidez Semana a Semana com o Almanaque dos pais

Sem. 01 Sem. 02 Sem. 03 Sem. 04 Sem. 05 Sem. 06 Sem. 07 Sem. 08 Sem. 09 Sem. 10
Sem. 11 Sem. 12 Sem. 13 Sem. 14 Sem. 15 Sem. 16 Sem. 17 Sem. 18 Sem. 19 Sem. 20
Sem. 21 Sem. 22 Sem. 23 Sem. 24 Sem. 25 Sem. 26 Sem. 27 Sem. 28 Sem. 29 Sem. 30
Sem. 31 Sem. 32 Sem. 33 Sem. 34 Sem. 35 Sem. 36 Sem. 37 Sem. 38 Sem. 39 Sem. 40

Você também vai gostar de ler

Gravidez: Vídeo do desenvolvimento fetal
Sexo na gravidez: As 11 melhores posições (com imagens)
13 alimentos de devem ser evitados durante a gravidez

Sobre Almanaque dos pais

Conteúdo produzido pela equipe do Almanaque dos pais.

Veja também

7-sintomas-de-gravidez

7 Sintomas de gravidez que você jamais imaginou

Conheça os 7 sintomas de gravidez que você jamais imaginou que existiam ou mesmo que eles eram sintomas de gravidez tão comuns nas gestações

Um comentário

  1. adorei as dicas……..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.