Home / Colunistas / Monica Romeiro / Uma história triste: a primeira escolinha do meu filho

Uma história triste: a primeira escolinha do meu filho

Antes de entrar nessa escolinha que o Lucas está hoje, ele ficou 1 ano em outra escola que eu nem gosto de lembrar. Ele entrou com 6 meses e ficou por 13 meses naquele lugar. Vou compartilhar esse episódio triste com vocês como um alerta: pesquisem, perguntem e observem sempre!

Durante um bom tempo eu gostava de lá e da chefe das berçaristas, uma mulher responsável e bem exigente com higiene e trato com as crianças. Até então os papais e mamães tinham passe livre para entrar no berçário. A parte boa é que podíamos ver com nossos olhos se tudo estava em ordem no berçário: limpeza, crianças limpas, lactário organizado….

Ele ainda não sabia falar direito, estava com 1 ano e meio quando notei que ele não queria mais ficar na escola, chorava para ficar e ao me ver corria para meus braços desesperadamente. Pensei que poderia ser ciúmes porque a irmãzinha havia nascido há poucas semanas, mas meu sexto sentido não parava de apitar. Fazia cerca de 1 mês que os pais não podiam mais entrar no berçário, a justificativa era que as crianças novas estavam se agitando quando os outros pais chegavam e choravam querendo ir embora também.

Outro acontecimento estranho é que havia algumas semanas que a agenda era preenchida da mesma forma, com os mesmos dados, mesmas quantidades de fraldas trocadas, de cocô e, incrivelmente, meu filho estava comento toda a comidinha todos os dias. Eu conheço meu filho e sei que às vezes ele come metade ou poucas colheradas.

Pedi para conversar com a chefe das berçaristas para tentar descobrir o que estava acontecendo e descobri que a mulher que eu gostava não estava mais lá fazia mais de 1 mês, porém nenhuma mãe foi avisada. Estranha coincidência….

Fiquei desconfiada que mais alguma coisa estivesse acontecendo, conversei com a dona da escola que me garantiu que as coisas mudariam, que eu poderia entrar no berçário quando quisesse e se desculpou por não ter avisado que a responsável pelas crianças havia mudado.

Menos de 1 semana depois notei a porta do berçário aberta quando fui buscar o Lucas e resolvi entrar sem avisar. Para minha total tristeza (mas agradeço muito por isso ter acontecido), flagrei meu pequeno chorando sozinho na sala dos berços, todo molhado de xixi (inclusive colchão, travesseiro, roupa…) e com muito frio, afinal era mês de agosto. Pela quantidade de lágrimas escorridas pela bochechinha ele estava chorando havia um bom tempo, e nem vou chegar aos méritos do perigo dele pular do berço e se machucar.

Peguei meu pequeno no colo, pedi para a primeira berçarista que vi a bolsa dele e o trouxe correndo para casa. Chegando em casa mais uma surpresa, percebi que ele estava com a mesma fralda que eu havia colocado quando eu o deixei na escola (a marca da fralda da escola era diferente da marca que ele usava em casa – recomendo essa técnica para todas as mamães). Abri a agendinha e lá estava anotado que tinham trocado a fralda dele 2 vezes, além das outras informações repetidas de várias semanas.

mulher tristeMinha revolta foi tão grande que na hora liguei para a escola e, por sorte, ninguém atendeu nas duas tentativas, pois provavelmente eu falaria mais do que eu deveria e poderia até perder a minha razão.

No dia seguinte liguei pela manhã e pedi para deixarem todas as coisas do Lucas separadas para eu buscar, juntamente com o papel de cancelamento da matrícula pronto para eu assinar. E foi o que aconteceu, peguei as coisas do meu pequeno, assinei a saída dele, pedi o comprovante de tudo que eu havia pagado naquele ano e fui embora para nunca mais voltar.

Se me pedem referência daquela escola eu sou sincera e falo para passarem longe, não desejo para nenhuma mãe passar pelo o que eu passei e faço o possível e o impossível para que nenhuma criança passe pelo o que meu filho passou.

Monica Romeiro é mãe do Lucas e da Larissa e administradora do Almanaque dos Pais

Sobre Monica Romeiro

Monica Romeiro
Monica Romeiro é mamãe babona e apaixonada do Lucas - nascido em janeiro de 2011 - e da Larissa - nascida em julho de 2012 -, casada, publicitária por formação e empreendedora na Internet por paixão – paixão por criar, ler, escrever, pesquisar, colaborar, navegar, ajudar e compartilhar suas experiências. Escreve (sem papas na língua) sobre maternidade e dá dicas sobre empreendedorismo.

Veja também

dizer nao para os filhos Monica Romeiro

Dizer não para os filhos também é um ato de amor

Quando se trata de educação dizer não para os filhos também é um ato de amor, carinho e cuidado. Assim os pais estabelecem os limites, regras e valores.

2 comentários

  1. oi flor,estou passando pelo mesmo problema com minha filha na escola,ela anda triste,fala que as colegas batem,me fala qd nao toma o iogurte ou suco que levo e ainda marcam na agenda que ela até jantou,mas eu a busco as vezes antes da janta e está marcado lá a jantinha….nao sei o q fazer pq nao tenho outro lugar pra deixa-la. onde foi o seu problema?por acaso foi em goiania.

    • Monica Romeiro
      Monica Romeiro

      Olá Carla,
      Meu problema aconteceu em uma escola de São Paulo, mas sei que isso acontece em muitas outras. Como você não tem muito para onde correr, minha dica é que você vá conversar com a coordenadora da escola para passar a limpo todos os problemas (anote tudo antes, na hora ficamos tão nervosas que acabamos esquecendo tópicos importantes).
      Também peça para ela te dar um prazo para que esse assunto seja resolvido.
      Preencher a agenda antes é um absurdo! Se a agenda existe é para ser executada de forma honesta e sincera, não é mesmo?
      Converse e questione sempre Carla. A Educação infantil é um direito da criança e deve ser respeitada e executada com seriedade.
      Estou torcendo para que você consiga resolver tudo isso logo 😉
      Beijo grande

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.