Cocô do Bebê: cores, consistências, odores e frequência

Depois que o bebê nasce nós, pais e mães, viramos os fiscais do cocô do bebê e cada alteração na cor, consistência, no cheio e na frequência com o que o bebê evacua já nos causa preocupação.

Este post é para te explicar sobre as alterações esperadas sobre o cocô do bebê (com uma tabelinha que vale a pena salvar no seu computador e compartilhar com as amigas) e quando é hora de entrar em contato com o pediatra.

Manual do Cocô do Bebê

Como você pode observar na imagem acima, é normal acontecer variação na cor do cocô do bebê, porém algumas cores merecem atenção especial.

Cocô Preto Esverdeado

Durante a gestação o bebê ingere líquido amniótico, e parte do que é ingerido começa a se acumular no intestino do bebê, o que chamamos de mecônio. Este será o primeiro cocô do recém-nascido.

Possui cor escura, que lembra piche ou até graxa. Não tem cheiro forte, porém é grudento, sendo um pouco mais chatinho na hora de limpar o bumbum do bebê.

Cocô Verde Escuro

Assim que o bebê começa a mamar o colostro (primeiro leite materno), ou mesmo fórmula, a digestão deste leite começa a alterar a coloração do mecônio que ainda está no intestino, e o cocô começa a ganhar uma coloração mais esverdeada.

Cocô Amarelo / Amarelo Ouro

Bebês que se alimentam exclusivamente de leite materno tendem a apresentar o cocô amarelo (também chamado de amarelo ouro), muitas vezes apresentando alguns gruminhos nas fezes que ainda são bem pastosas.

Cocô Verde Musgo

Quando o bebê toma fórmula, suas vezes são um pouco mais firmes (mas ainda pastosas) e tendem a ter uma colocação verde musgo.

O mesmo pode acontecer com bebês que mamam somente a primeira parte do leite materno, que é um leite mais magro. Se o seu bebê mama no peito e está com o cocô verde musgo, tente oferecer por mais tempo a mama para que ele consiga ingerir também a segunda e terceira parte do leite materno, que possuem mais proteína e gordura, respectivamente.

Cocô Marrom

Quando começa a introdução alimentar, o cocô do bebê começa a ter a coloração, textura e odores mais parecidos com os dos adultos, ou seja, marrons e mais firmes e com odores mais fortes.

Cocô com outras cores

Após a introdução alimentar as cores do cocô começam a variar de acordo com os alimentos ingeridos. Por exemplo, ao comer beterraba, o cocô tente a ficar mais avermelhado, sem que signifique algum problema de saúde do bebê.

Ao notar que a cor do cocô está diferente, tente se lembrar dos alimentos que foram ingeridos recentemente.

Cores do cocô do bebê que precisam de atenção

Se o seu bebê apresentar fezes nas cores preta, branca, vermelha (com ou sem vestígios de sangue) ou verde água, entre em contato com o pediatra o mais breve possível.

Com que frequência o bebê deve fazer cocô?

No primeiro mês de vida o bebê geralmente evacua a cada mamada.

No segundo mês de vida, em que seu sistema digestivo já está se desenvolvendo, a frequência em que o bebê evacua pode alterar sem que signifique algum problema.

Bebês que mamam exclusivamente o leite materno podem ficar dias sem fazer cocô. Já os bebês que tomam fórmula tendem a fazer cocô uma vez ao dia, mas em alguns casos podem fazer a cada dois ou três dias.

Quantos dias sem o bebê fazer cocô é normal?

Não existe um número preciso para todos os casos, cada bebê é único e é importante que outros fatores sejam observados.

  • Se o bebê está com as fezes duras;
  • se ao defecar saem apenas bolinhas (pequenos pedaços);
  • se ele está com muitas cólicas, gases ou apresentando desconforto;
  • se está sem defecar a mais de 1 semana.

Dicas para o bebê fazer cocô

Tenho uma dica quase infalível para ajudar seu bebê a fazer cocô, confere este vídeo que gravei no meu canal e depois me conta se funcionou para seu bebê.

Sempre que tiver dúvidas, fale com o pediatra, combinado?

Você também vai gostar de ler:

Tamanho do estômago do Recém-nascido
Como os recém-nascidos enxergam
Alimentos que soltam o intestino do bebê
Tabela do Sono do Bebê a 0 a 12 anos

Sobre Monica Romeiro

Monica Romeiro
Monica Romeiro é mamãe babona e apaixonada do Lucas - nascido em janeiro de 2011 - e da Larissa - nascida em julho de 2012 -, casada, publicitária por formação e empreendedora na Internet por paixão – paixão por criar, ler, escrever, pesquisar, colaborar, navegar, ajudar e compartilhar suas experiências. Escreve (sem papas na língua) sobre maternidade e dá dicas sobre empreendedorismo.

Veja também

Meu filho precisa usar óculos. E agora?

É comum as crianças precisarem usar óculos, mas muito pais se preocupam pelo fato de usarem quando são muito novinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *