Home / Colunistas / Dr. Claudio da Silva Miragaia / A Dor Torácica, também chamada de Dor no Peito

A Dor Torácica, também chamada de Dor no Peito

Poucas queixas preocupam tanto os pais quanto a “dor no peito”. Trata-se de uma condição que carrega um estigma de gravidade, principalmente por ser um sintoma intimamente relacionado ao infarto do miocárdio. Felizmente, na faixa etária pediátrica, outras causas são mais frequentes como responsáveis por essa dor.

Para entendermos a dor torácica devemos pensar nas duas situações básicas em que essa dor existe. A primeira é aquela de início súbito, causando um incomodo agudo que deve ser imediatamente avaliado e tratado. A segunda situação é uma dor crônica onde a criança queixa-se de dor constante e de forma repetida durante certo período de tempo, esse tipo de dor crônica é a mais frequente nas crianças.

Foto: Reprodução www.eveningpediatrics.com
Foto: Reprodução www.eveningpediatrics.com

A dor torácica crônica e recorrente

Trata-se de uma queixa frequente no consultório do cardiologista pediátrico. Geralmente esses pacientes são avaliados na ausência de dor e a preocupação é definir se a causa é de origem cardíaca e quais são as implicações dessa dor para a criança.

Para a definição do tipo da dor, mais importante do que exames subsidiários, é a necessário um completo entendimento das características dessa dor.

Como ela se inicia? Está relacionada à alimentação? À atividade física? Às situações de estresse ou ansiedade?

Qual sua característica? Parece uma pontada: um aperto? Uma torção? Uma queimação?

Qual sua localização? Atrás do esterno (o osso do meio do peito)? Do lado direito ou do lado esquerdo? Fica mais inferior, próximo ao abdome, ou em uma posição mais superior?

Como ela se comporta? Piora quando inspira, quando se deita ou se move? Fica em só lugar ou se irradia para outras regiões? Limita suas atividades?

Quanto tempo ela dura? O que se faz para ela melhorar? Melhora espontaneamente?

Há sintomas associados? Náuseas? Sudorese? Palidez? Falta de ar?

Durante a consulta é muito importante que a criança se expresse e tente explicar seus sintomas de forma livre, pois apesar de o interrogatório ser dirigido, devemos tomar cuidado para não induzir respostas que possam levar a erros diagnósticos.

No exame físico o cardiologista faz uma avaliação da criança como um todo e do coração em particular. Analisa a presença de sopros; arritmias; atritos e estalidos cardíacos; variações de pulsos; sinais de insuficiência cardíaca; presença de anemia; ritmo e característica da respiração.

As causas cardíacas de dor torácica crônica são raras, sendo a maioria das queixas de causa idiopática (sem origem definida) e benigna.

As doenças cardíacas que costumam evoluir com dor torácica são as miocardiopatias hipertróficas severas e obstrutivas; as pericardites; doenças coronarianas; e alguns graus de prolapso da válvula mitral. É importante notar que as cardiopatias congênitas mais comuns não costumam evoluir com dor cardíaca, por isso os pais dessas crianças devem estar conscientes que, apesar da cardiopatia, a causa da dor torácica, provavelmente, não está relacionada com a doença do coração.

Outras causas frequentes de dores são alterações do hábito intestinal, principalmente a constipação; o refluxo gastro esofágico; a aerofagia (“engolir” ar durante a fala ou respiração); crises de dor das anemias hemolíticas (por exemplo, a anemia falciforme); a asma; a costocondrite (inflamação na cartilagem da costela); vícios posturais entre outras.

A dor torácica aguda

A dor torácica aguda é aquela de início súbito, que leva a criança ao pronto socorro para o alívio urgente dessa dor. É uma situação emergencial. Nessa situação o atendimento é feito pelo pediatra emergencista, que está capacitado para o diagnóstico e tratamento inicial do quadro.

O questionário dirigido esmiuçando o tipo e intensidade da dor, o fator desencadeante; as irradiações e os fatores de melhora e/ou piora deve ser realizado de maneira completa e sucinta.

Nessas ocasiões a criança, geralmente, está chorosa e angustiada e a inspeção é papel fundamental. Muitas vezes os sinais de gravidade são visíveis, como a turgência jugular; a palidez e sudorese fria; a cianose ou mesmo a posição onde a criança fica mais confortável, tudo são pistas que auxiliam no rápido diagnóstico.

A ausculta do coração e pulmões complementam as informações e possibilitam a intervenção para o alívio da dor.

As causas de dor torácica aguda na criança são, na maior parte dos casos, causas não cardíacas como a pneumonia, principalmente se houver derrame pleural; o pneumotórax espontâneo; a esofagite aguda e a ingestão de corpo estranho.

As dores cardíacas são menos frequentes e compreendem:

  • Causas Cardíacas: arritmias; anomalias coronarianas; obstrução a via de saída do ventrículo esquerdo;
  • Causas Sistêmicas: doenças reumáticas ou autoimunes que podem ocasionar pericardites e/ou derrames pericárdico; quadros hiperdinâmicos, como crises agudas de hipertiroidismo ou feocromocitona;
  • Traumas com lesão direta do músculo cardíaco ou levando a derrames pericárdicos;
  • Overdose: principalmente em adolescente com o abuso de drogas ilícitas (principalmente crack e cocaína) ou de medicações estimulantes (anfetaminas).

 

Feito o diagnóstico é definido a conduta e após a estabilização a criança é encaminhada ao especialista para seguimento e tratamento ambulatorial.

Sobre Dr. Claudio da Silva Miragaia

Dr. Claudio da Silva Miragaia - CRM: 99141; Cardiologista Pediátrico formado no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Título de especialista e área de atuação reconhecido pela AMB/SBP/SBC. Pai da Júlia (6 anos) e do Vinícius (4 anos), atende em consultório próprio na cidade de São José dos Campos – SP / e-mail: claudio@almanaquedospais.com.br

Veja também

Tabela do Sono do Bebê e Criança – 0 a 12 anos

Conheça a Tabela do Sono do Bebê e Crianças, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria. …

3 comentários

  1. Elizandra machado de Jesus

    Olá meu filho de sete anos sente dores no peito faz um mês já, fui ao pediatra ele fez o eletrocardiograma não marco nada, exames de sangue também não, aí ele continuava com dores os primeiros dias ele não conseguia nem rir,aí ele deu dois antibióticos e ele continua com dores no peito,me falaram que ele tem ansiedade eu quero saber o que pode ser ?

  2. Olá tenho 16 anos e venho sentindo dores muito fortes no peito como se houvesse um peso muito grande pelo qual me da falta de ar e dependendo ate náusea, fui ao médico sábado passado exatamente por me queixar das dores no peito, pelo fato de eu estar gripada com dor de garganta, tive vomito e febre, a medica me receitou vários remédios para a gripe e garganta só que ainda sinto dor no peito. Pelo diagnóstico dela essa dor no peito é devido a tosse mas eu não tossi muito e a dor não parou você pode me ajudar com isso?

  3. Olá, hj meu filho ao pular no pula pula na escola passou mal, segundo a professora ele ficou com o coração acelerada boca seca e pálido com dificuldades de respirar, ele está gripado com tosse e tomando acetilcisteina e descongex gotas devido ao nariz entupido, mais faz alguns messes q ao fazer alguma atividade física ele se cansa rápido, a um tempo atrás levei ao pediatra e me aconselhou fazer algum esporte,coloquei em um e ele ñ conseguiu fazer pois cansa demais e hj fiquei preocupada estou dando nebulizacao e vou marcar um pediatra, o q o senhor possa me orientar ou dizer q possa ter acontecido pois dor nunca havia sentido e hj teve dor no peito segundo ele é a professora, obg aguardo ajuda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.