Home / Colunistas / Dra. Raquel Luzardo / Ensinar outro idioma afeta o desenvolvimento da linguagem?

Ensinar outro idioma afeta o desenvolvimento da linguagem?

Ensinar outro idioma afeta o desenvolvimento da linguagem?

As crianças são como “esponjas” – absorvem tudo o que lhes são apresentadas

aluno segundo idioma outro idioma ingles
Foto: Reprodução www.gemmlearning.com

Até há alguns anos, pouco se falava sobre a introdução e as causas de um segundo idioma no desenvolvimento da linguagem das crianças. As famílias só procuravam uma escola especializada quando os filhos já estavam maiores. Só que com o aumento na oferta de escolas bilíngues no país, muitos pais têm recorrido ao ensino de uma outra língua já na pré-escola, mas muitos também ficam inseguros – será que meu filho terá atraso no desenvolvimento da linguagem se for exposto a duas ou mais línguas?

Segundo a fonoaudióloga, Raquel Luzardo, especialista em linguagem e atendimento infantil, o aprendizado de um segundo idioma não atrapalha nem atrasa o desenvolvimento da linguagem. Nos primeiros anos de vida, o cérebro se desenvolve muito rápido. São milhares de conexões neurológicas novas e aprender qualquer coisa nessa fase se torna muito mais fácil, inclusive idiomas diferentes. “Vivenciar uma segunda língua estimula o cérebro infantil, que está mais aberto para fazer as sinapses (ligações e conexões). A associação feita pelo cérebro com as palavras no idioma materno e no estrangeiro faz com que os pequenos desenvolvam essas conexões”, explica.

Raquel conta que as crianças são como “esponjas” – absorvem tudo o que lhes são apresentadas e, nesta fase ainda não conhecem e nem sabem falar corretamente a maioria das palavras da língua nativa. Então para elas “tanto faz” se o que escutam é português, inglês, francês ou alemão, simplesmente aprendem como dizer aquilo e gravam em seus cérebros com a maior naturalidade, como parte do seu desenvolvimento. Além disso, aquelas que aprendem inglês ou qualquer outra língua mais cedo têm a chance de chegarem mais rápido na pronúncia perfeita, porque nessa idade nosso aparelho fonador (boca e língua) ainda está em desenvolvimento e, além de aprender outros idiomas com mais facilidade, a criança também aprende sem sotaques e sem vícios de linguagem. “Com o tempo vamos perdendo essa habilidade e sentimos mais dificuldade em pronunciar sons que não são do nosso idioma, por exemplo o som “th”, do inglês, que não temos um equivalente a esse no português, como nas palavras think ou they.

Tempo certo

Para Raquel, se a criança não apresentar nenhuma dificuldade na língua materna, não haverá nenhuma outra no aprendizado do segundo idioma. “E se ela está mais inserida em outra língua, aprendendo todos os sons e fonéticas do idioma e desenvolvendo as duas línguas ao mesmo tempo, as chances de ser fluente nos dois idiomas mais cedo são muito maiores”, completa.

A especialista dá algumas dicas para os pais que ajudam a estimular o aprendizado de outra língua:

–  Músicas infantis em outro idioma possuem expressões básicas e mostram para a criança que existe uma língua diferente da que ela já sabe;

– Aplicativos para celular ou tablet com canções apropriadas para a faixa etária com os quais podemos apresentar a canção e deixá-la ouvir e cantar junto. Ouvir e reproduzir a canção ajuda a absorver a pronúncia naturalmente. Através da música a criança capta palavras e seus significados e cantar atua na articulação de músculos da face e da mandíbula, resultando em uma pronúncia mais clara e natural;

– Outra atividade muito estimulante é contar histórias. Identificar a história favorita da criança e apresentá-la em outra versão como o inglês é muito interessante. No Youtube é possível encontrar diversas delas, principalmente as clássicas. Basta colocar o título da história em inglês (por exemplo, Chapeuzinho Vermelho se torna Little Red Riding Hood). Em geral, a linguagem é simples e clara para o público infantil e, como a criança já sabe a história, passa a assimilar as palavras de cada passagem na língua estrangeira;

– Existem também desenhos, como a Dora Aventureira e Super Why, que trazem palavras e expressões em inglês para mostrar ao pequenos que existe outra forma de falar o que eles já sabem.

Use a tecnologia a seu favor!

Sobre Raquel Luzardo

Raquel Luzardo
Fonoaudióloga, especialista em linguagem, diretora da Clínica FONOterapia, atua há mais de 15 anos em atendimento infantil, orientação familiar e assessoria escolar. Casada com o Yan e mãe do Gabriel, acredita que a comunicação é a ferramenta para as relações acontecerem de forma plena e feliz!

Veja também

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 | Deficiência Intelectual Leve

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 – deficiência intelectual leve. Direito ao …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.