Home / Papai / Comportamento / Perdoar não é nada disso – por Heloisa Capelas

Perdoar não é nada disso – por Heloisa Capelas

Precisei viver, na prática, uma infelicidade constante para entender o que me acontecia sempre que eu escolhia não perdoar; e na minha nova obra, “Perdão – A Revolução que Falta”, eu compartilho tudo o que aprendi sobre esse assunto. Dentro dos paradigmas em que a grande maioria de nós foi criada (e que continuam prevalecentes na educação de nossas crianças), o perdão é um ato quase sublime. Perdoam aqueles que evoluem espiritualmente. Que alcançam um determinado nível de bondade, de sabedoria, de amor ao próximo. Ou, por outro lado, há quem julgue que perdoam aqueles que são fracos. Os que se submetem às ações alheias, que não reagem, que não se impõem, que relegam ao outro o direito de lhes magoar novamente.

perdoar
Foto: Reprodução www.voicesinbioethics.net

A confusão é tanta que, bem, tenho que lhe dizer: PERDOAR NÃO É NADA DISSO! Precisei viver, na prática, uma infelicidade constante para entender o que me acontecia sempre que eu escolhia não perdoar. Aliás, agora que toquei no assunto, é importante que você saiba desde já: perdoar é uma escolha, uma decisão que só você pode tomar para a sua vida. E a grande revolução é que, a partir do perdão, você promove mudanças fundamentais e estruturais em seu comportamento para viver melhor tanto no aspecto pessoal, como no profissional.

O que a Felicidade tem a ver com Perdão:

Alguns anos atrás lancei “O Mapa da Felicidade”, que se tornou um best-seller e me trouxe uma gratidão sem tamanho. Mas, desde antes, tinha o desejo de trabalhar também com um outro tema. Um sonho antigo que, agora em maio, tenho a honra de realizar com o lançamento da minha segunda obra, “Perdão – A Revolução que Falta”. Os dois temas têm absolutamente tudo a ver, mas a maior parte das pessoas não consegue imaginar como ou por que eles estão relacionados. O desejo e a busca incessantes pela felicidade têm nos movido enquanto indivíduos e enquanto sociedade; todos nós QUEREMOS ser felizes, embora nem sempre saibamos o que isso significa. Em outras palavras, a felicidade se transformou num sentimento concreto e desejável, uma meta de vida, enquanto o perdão parece algo muito distante – e, às vezes, até sem importância ou algo a ser evitado.

Por que perdoar é uma questão de inteligência:

A ciência já comprovou que, quando nos recordamos de acontecimentos “imperdoáveis” do passado, nosso cérebro reage a essas memórias como na primeira vez. Ou seja, ele entende que estamos revivendo aquela situação negativa e nos faz sentir tudo de novo. Em curto prazo, os resultados disso são o aumento nos níveis de estresse e da pressão arterial; em longo prazo, esse processo está associado ao surgimento de problemas cardiovasculares, diabetes e câncer. Portanto, perdoar faz bem para a saúde, mas não é só isso. Quando nos libertamos dos nossos rancores e mágoas, saímos de uma espécie de fechamento mental que limita nosso sucesso em qualquer âmbito da vida. Isso acontece porque o não-perdão nos deixa aprisionados ao círculo vicioso (e quase sempre inconsciente) da vingança e da autovingança.

E esse é outro aspecto relacionado ao perdão que, via de regra, a maior parte das pessoas rejeita: a consciência de que se é vingativo. Ninguém quer ser reconhecido ou se reconhecer desta forma, mas a verdade é que todos nós, invariavelmente, praticamos algum tipo de vingança. Nós o fazemos porque queremos que o outro pague pelo o que causou, sem perceber que somos os únicos atingidos e prejudicados por nosso próprio comportamento.

E isso não acontece só diante de grandes acontecimentos, mas, principalmente, em relação a episódios cotidianos. As pequenas coisas, como uma fechada no trânsito ou uma discussão boba com o parceiro, são capazes de nos tirar tanto do sério, que, sem perceber, deixamos que estraguem nosso dia! Já aconteceu com você? Se sim, então, deixe-me dizer: isso também é uma maneira de se vingar.

Estou lhe contando tudo isso porque, bem, gostaria muito de tê-lo como leitor da minha nova obra. Nela, eu conto como eu mesma revolucionei e transformei a minha vida a partir do perdão. Aliás, mais que isso, você vai entender por que o PERDÃO É A REVOLUÇÃO QUE FALTA.

Esse é meu convite, meu pedido para que você tome a mesma decisão que eu tomei e ainda tomo diariamente. O meu desejo é que possa se ver livre das negatividades do passado para que tenha a oportunidade de viver um novo presente e construir o futuro que deseja!

Você também vai gostar de ler:

O que você pensa pode ser tóxico para sua saúde e para sua longevidade
Como ter novas atitudes para uma vida mais feliz e tranquila
Você tem um tempinho (pra falar sobre os seus filhos)?
Como a sua criação influencia a mãe ou o pai que você é hoje

Sobre Heloisa Capelas

Heloisa Capelas
Especialista em desenvolvimento humano e diretora do Centro Hoffman, no Brasil. Heloísa é também palestrante, Coach, Master Practitioner em PNL, autora do best-seller "O Mapa da Felicidade" e coautora de mais sete livros sobre Gestão de Pessoas, Liderança e Inteligência Feminina.

Veja também

Dicas de presentes para o Dia Internacional da Mulher

Dia 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher, um dia especial para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.