Home / Gestação e parto / Complicações / Pré-eclâmpsia

Pré-eclâmpsia

medidor pressaoA pré-eclâmpsia ou toxemia gravídica é um distúrbio que afeta cerca de 5% das gestantes. Esse distúrbio consiste numa elevação da pressão arterial causada pela gestação que pode ocorrer após a 20ª semana, porém é mais comum no terceiro trimestre.

Sintomas da pré-eclâmpsia:

As causa exatas desse distúrbio ainda são desconhecidas, porém ela pode progredir lentamente ou rapidamente e alguns sintomas podem ajudar a diagnosticá-la (apesar de em alguns casos ela ser assintomática):

  • aumento da pressão arterial;
  • visão turva, dupla ou com manchas;
  • aumento excessivo de peso;
  • inchaço e perda de proteína pela urina;
  • Em casos mais graves ela pode causar desmaios, convulsões, sangramento vaginal e até coma.

Infelizmente não há uma forma eficaz de prevenir a pré-eclâmpsia, por isso a importância de realizar todas as consultas e exames pré-natais e sempre procurar o médico ao sinal de qualquer desconforto.

Incidência:

Apesar das causas serem desconhecidas, alguns fatores pode contribuir para o aparecimento da pré-eclâmpsia, são eles: hipertensão arterial antes da gravidez, gestação de múltiplos bebês, gestação após os 38 anos e antes dos 18 anos, lúpus, diabetes, obesidade, problema renal e histórico familiar das doenças relacionadas nesse tópico.

Riscos:

As consequências da pré-eclâmpsia são diversas, entre elas está a diminuição do fluxo sanguíneo na placenta que acarreta problema no desenvolvimento do bebê.

Em casos mais graves a pré-eclâmpsia pode evoluir para eclâmpsia, em que a pressão arterial sobre drasticamente, trazendo risco não só para o bebê, mas também para a gestante. A eclâmpsia pode ocorrer nas semanas finais da gestação ou logo após o parto.

Recomendações:

Caso a gestante seja diagnosticada com pré-eclâmpsia ela deverá fazer repouso e diminuir a ingestão de sal, as consultas acontecerão em intervalos menores para que o médico possa avaliá-la com frequência, verificar a pressão arterial, além de solicitar alguns exames para verificar a perda de proteínas pela urina e funcionamento de alguns órgãos como fígado por exemplo.

Havendo o aumento da pressão arterial o médico poderá receitar medicamentos que não fazem mal ao bebê. Para casos mais graves um anticonvulsionante poderá ser indicado.

O feto também será monitorado para avaliar placenta, tamanho, peso e líquido amniótico. Em alguns casos em que a vida da gestante ou do bebê corre risco de morte o médico decidirá pelo parto, mesmo que prematuro. O parto poderá ocorrer por indução ou por cesárea. Após o parto a mamãe continuará em observação por uns dias no hospital e depois a situação tende a melhorar, pois com a retirada da placenta a doença regride.

Você também vai gostar de ler:

Gravidez Semana a Semana
Sexo na gravidez: As 11 melhores posições (com imagens)
Tabela: Tamanho do bebê por semana de gestação comparado com frutas
Dor na virilha durante a gravidez | Dor pélvica


Atualizado em 09/11/2016

Sobre Almanaque dos pais

Conteúdo produzido pela equipe do Almanaque dos pais.

Veja também

Quanto tempo após aborto posso engravidar novamente?

Quanto tempo após aborto posso engravidar novamente? Conheça os fatores que determinam o tempo de espera para uma nova gravidez após aborto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.