Home / Colunistas / Dra. Claudia Hakim / A superdotação dos meus filhos refletiu na mudança do meu rumo profissional

A superdotação dos meus filhos refletiu na mudança do meu rumo profissional

Como vocês podem perceber o caminho para conseguir efetivar a aceleração de série dos meus filhos e, com isso, poder atender as necessidades educacionais deles, não foi nada fácil. Mas, o que um coração de mãe não faz para atender as necessidades de seus filhos?

Desta forma, terminou a etapa para regularização das acelerações de séries dos meus filhos (saiba mais nos posts: A aceleração de série da minha filha mais velha e A trajetória escolar e briga judicial do meu filho quando descobrimos a superdotação) e assim se abriu uma nova etapa profissional da minha vida. Com o meu envolvimento para a regularização da matrícula dos meus filhos, nas séries de sua competência (e não à série referente às idades cronológicas deles), acabei criando um Blog, chamado Mãe de Crianças Superdotadas (www.maedecriancassuperdotadas.blogspot.com), aonde pude não só dividir estas experiências difíceis que passei, mas, também dividir com os meus leitores as pesquisas que eu vinha avançado na área da superdotação.

livros 01

A superdotação é um assunto pouco conhecido aqui no Brasil. Quando se lê ou se ouve falar nela, logo se associa à genialidade. Mas, é muito importante que fique claro, que superdotação não é sinônimo de genialidade e quando falamos em pessoas superdotadas (também conhecidas como pessoas com altas habilidades) estamos nos referindo à cerca de 3,5 a 5% de nossa população. Como vocês podem perceber, não é número desprezível. Pessoas com altas habilidades são aquelas que apresentam grande facilidade de aprendizagem que os levem a dominar, rapidamente, conceitos, procedimentos e atitudes (Definição estabelecida pelo MEC), criatividade, liderança, talento nas artes, nos esportes ou na música. 3,5 a 5% de nossa população (segundo estatística da OMS) que continua velada, escondida, ignorada ou marginalizada pela nossa sociedade. Pessoas sem identificação e sem atendimento. A grande maioria dos superdotados no Brasil não são identificados ou atendidos. Isto é o que pude constatar, tanto no grupo que criei no meu Facebook, chamado Mãe de Crianças Superdotadas (https://www.facebook.com/groups/213399982041957/), composto por mais de 3.000 pessoas, dentre pais de crianças superdotadas e pessoas interessadas no tema, do mundo todo e através das mensagens que recebo dos leitores do meu Blog. Percebo, também, que a grande maioria dos pais de crianças superdotadas não sabem o que fazer diante das evidências e sinais de altas habilidades que seus filhos manifestam. Não sabem a quem recorrer, para que seus filhos tenham suas habilidades identificadas e atendidas.

Muitos profissionais, ainda que dotados da mais boa vontade, não sabem como orientar os pais e a escola em que a criança estuda, depois de identificada a superdotação na criança. As escolas que recebem o diagnóstico destas crianças não conseguem trabalhar com elas da forma que elas precisam, seja através de um enriquecimento curricular (com um currículo diferenciado que possa aprofundar o conteúdo do que é dado, em sala de aula para os demais alunos), seja através da aceleração de série (vide a dificuldade que enfrentei perante a Secretaria da Educação para acelerar meus dois filhos), seja para encaminhar para um programa de atendimento específico existente em tão poucas cidades e Estados de nosso país (salas de recursos ou NAAH´s – Núcleo de Atividades de Altas Habilidades).

Infelizmente, o que mais tenho observado no meu grupo, Mãe de Crianças Superdotadas, são situações difíceis e tristes enfrentadas pelos pais de crianças superdotadas. Ali também compartilhamos as alegrias que os nossos filhos nos dão, quando, por exemplo, ganham alguma competição, ou quando nos trazem o boletim repleto de notas 9 ou 10, quando tocam uma música maravilhosa ou quando falam alguma coisa engraçada e inteligente ao mesmo tempo.

Com a criação do meu Blog e do meu grupo no Facebook, e com a demanda que começou a me chegar, com pedidos de aceleração de série judiciais, orientação acerca dos alunos com altas habilidades / superdotação, eu acabei direcionando o meu foco de trabalho, e rumei para o Direito de Educação, que é uma área nova dentro do Direito, e assim posso ajudar outros pais que se encontram em situações semelhantes às dos meus filhos, com o diferencial que eu atuo com conhecimento de causa e consigo me colocar na própria pele destes pais, que lutam pelo atendimento educacional de seus filhos. Mas, senti que atuar no Direito de Educação, para o atendimento dos alunos com altas habilidades não era o suficiente. Então, passei a estudar mais sobre os direitos dos alunos com necessidades especiais porque afinal de contas, os alunos com altas habilidades / superdotação também são alunos que fazem parte da Educação Especial. Mas, achei que isto ainda era pouco para a minha nova formação e com isso, fui buscar uma pós-graduação na área de Neurociência e Psicologia aplicada, que estou terminando em poucos meses, na Universidade Mackenzie.

Sinto um prazer imensurável em poder atuar numa área que ajuda os alunos com necessidades educacionais especiais, agregando o conhecimento jurídico que adquiri em minha primeira graduação, com a riqueza que a neurociência e a psicologia me trouxeram, juntamente com a minha experiência de mãe de crianças com necessidades educacionais especiais e recebo cada vitória e conquista que alcanço no judiciário ou no encaminhamento de um atendimento, como se fossem dos meus próprios filhos. Ser mãe me realizou enquanto pessoa e enquanto mulher. Ser mãe de alunos com necessidades educacionais especiais me ajudou a encontrar a minha realização profissional. Pude também, realizar outro sonho meu, até então oculto, que era o de poder escrever para muitas pessoas e assim ajuda-las através das minhas palavras. É com grande prazer, pois, que lhes escrevo, caros leitores, e divido com vocês a história da minha vida.

Sobre Claudia Hakim

Advogada Especializada em Direito de Educação e Especialista em Neurociência e Psicologia Aplicada Autora do Blog e grupo no Facebook voltado para a Educação de Crianças Superdotadas : “Mãe de Crianças Superdotadas : www.maedecriancassuperdotadas.blogspot.com Membro Fundadora do Instituto Brasileiro de Superdotação e Alterações do Neurodesenvolvimento (IBSDND) Contato : claudiahakim@uol.com.br/ Fone : (11) 35113853

Veja também

Você já ouviu falar do ENCCEJA? Exame para certificação de ensino médio para jovens e adultos?

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR DO ENCCEJA ? EXAME PARA CERTIFICAÇÃO DE ENSINO MÉDIO PARA JOVENS …

2 comentários

  1. Verdade, Henrique ! Por isso que a nossa sociedade e, principalmente, nosso governo, tem que apoiar estas Mentes Brilhantes, para que com o estímulo necessário, eles possam continuar descobrindo e inventando muito mais coisas do que hoje já temos !

  2. A MAIOR PARTE DAS GRANDES INVENÇÕES, QUE TODOS NÓS, SERES HUMANOS, DESFRUTAMOS NO NOSSO DIA-A-DIA, SÃO FEITAS POR SUPERDOTADOS. EX.: RÁDIO, TELEVISÃO, MÁQUINA DE LAVAR, BICICLETA, AUTOMÓVEL, AVIÃO, MOTOR A GASOLINA, MOTOR DIESEL (MOTOR REVOLUCIONÁRIO QUE NÃO TEM VELAS, NEM BOBINA DE IGNIÇÃO E NEM TAMPOUCO DISTRIBUIDOR – FUNCIONA NA BASE DA COMBUSTÃO ESPONTÂNEA DENTRO DOS CILINDROS POR CAUSA DA ALTA TAXA DE OXIGÊNIO NO AR ALTAMENTE COMPRIMIDO DENTRO DOS CILINDROS, GRAÇAS A ALTA TAXA DE COMPRESSÃO – INVENÇÃO GENIAL DO DR. RUDOLF DIESEL, UM ENGENHEIRO ALEMÃO!!!!!!!), FOGUETE, MOTOR A JATO – TURBOJATO, TURBOFAN, ETC., ETC., ETC,…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.