Como ficam as Mensalidades da Escola durante a Pandemia

COMITÊ NACIONAL DE DEFESA DO CONSUMIDOR SE POSICIONA ACERCA DAS MENSALIDADES DA ESCOLA DIANTE DA PANDEMIA GERADA PELO COVID-19

MENSALIDADES DA ESCOLA

O Comitê Nacional de Defesa do Consumidor, a Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor – MPCON, a Comissão das Defensorias Públicas do Consumidor junto ao CONDEGE, a Comissão Especial de Defesa do Consumidor do Conselho Federal da OAB, o Fórum Nacional das Entidades Civis de Defesa do Consumidor – FNECDC e a Associação Brasileira de PROCONS – PROCONSBRASIL, manifestaram-se publicamente, visando a orientação de consumidores (pais e alunos do ensino superior) e fornecedores (estabelecimentos de ensino particular e universidades particulares), enquanto perdurar a situação de calamidade, em razão da disseminação do Novo Coronavírus (Sars-Cov2/COVID-19), e estabeleceram as seguintes diretrizes no tocante à prestação de serviços educacionais, em consonância com as normas de proteção e defesa do consumidor:

Vejam, leitores, que esta Deliberação CNDD-FC/ 15-04-2020 e Nota Técnica CNDD-FC Nº 02/2020 não se trata de uma lei. Ela não tem força de lei. É apenas uma diretriz, uma orientação elaborada por estes órgãos que se uniram e decidiram sugerir que tanto escolas e faculdades particulares quanto pais e alunos sigam estas orientações, a fim de se conciliar a manutenção do contrato estabelecido entre as partes, sem que caiam na judicialização da questão.

A Deliberação CNDD-FC/ 15-04-2020 e Nota Técnica CNDD-FC Nº 02/2020 CONSIDERANDO que :

– o art. 6º da Constituição Federal relaciona a educação como direito social do cidadão brasileiro e o art. 206, inciso VII da mesma Carta estipula que é princípio do ensino brasileiro a garantia de padrão de qualidade;

– o direito à educação, encontra resguardo na Constituição Federal, em seu art. 205, que o impõe como um dever do Estado;

– o reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor, (art. 4º, da Lei nº 8.078/90 – Código de Proteção e Defesa do Consumidor – CDC); 

– a necessidade da harmonização dos interesses dos participantes das relações de consumo, sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e fornecedores (arts. 4°, I, III e 6º, II e VIII, do CDC);

– o direito básico do consumidor à informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, mormente no tocante ao preço desembolsado, mudanças ou alterações necessárias à viabilidade da prestação do serviço educacional (art. 6º, III, do CDC);

é vedado ao fornecedor de produtos e serviços, prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, ou exigir dele vantagem manifestamente excessiva (art. 39, inciso IV e V, do CDC);

– o MEC já publicou a Portaria 343/2020, autorizando a alteração do ensino presencial para à distância, nos cursos superiores, todavia cabe aos Estados da Federação e aos Municípios a regulamentação do ensino médio e fundamental, que estão sob sua gestão ;

– a responsabilidade social da instituição de ensino pressupõe, caso possua condições materiais de fazê-lo, a manutenção dos empregos, o repasse ao consumidor da redução de custos operacionais e a busca de soluções que permitam ao consumidor que teve redução ou perda de renda a continuidade dos pagamentos;

Sugeriu que devem ser buscadas todas as formas de conciliar a manutenção do contrato, sem afastar a opção de seu cancelamento. A resolução contratual deve ser a última das alternativas a ser considerada pelas partes. 

2) Da obrigação principal e do dever de informar

2.1) Educação Infantil

Deverão as instituições de ensino:

a) negociar uma compensação futura em decorrência da suspensão das atividades e/ou

b) cumprir o dever de informação, encaminhando a seus alunos/responsáveis planilha de custos referente aos meses já vencidos do ano de 2020, bem como planejamento de custos referente a todo o ano corrente, e também esclarecendo sobre eventual diminuição nos valores referentes à prestação dos serviços educacionais (redução das mensalidades), decorrente da suspensão das aulas presenciais, e aplicando-se desde já o respectivo desconto, considerando-se as peculiaridades intrínsecas à educação infantil.

Como na educação infantil não é possível a oferta de ensino à distância, a orientação destes órgãos é para que ou se tente uma negociação futura e/ou (uma coisa ou outra, uma coisa e outra) que a escola envie para os pais uma planilha de custos referente aos meses já vencidos do ano de 2020, da forma como está explicado. Aqui, quando a Nota Técnica fala que a escola de educação infantil deverá esclarecer sobre eventual diminuição nos valores referentes à prestação dos serviços educacionais (redução das mensalidades), decorrente da suspensão das aulas presenciais, mas, não está se determinando que as escolas de educação infantil particulares são obrigadas a oferecer desconto, mas que esclareça sobre eventual diminuição nos valores na mensalidade escolar. O uso da palavra eventual (diminuição nos valões), já dá a ideia de que não é obrigatório. Portanto, muito cuidado, pais de alunos da educação infantil, quando fizerem a leitura e interpretação desta parta da Nota Técnica.

O consumidor poderá rescindir o contrato sem pagamento de qualquer encargo, especialmente diante de não observação dos itens acima (ou seja, se a escola de educação infantil não negociar uma compensação futura ou não cumprir com o dever de informação), entretanto deverá ser essa a última alternativa.

A Nota Técnica, contudo, alerta sobre o impacto que os cancelamentos de contrato terão sobre o quantitativo de funcionários diretos e indiretos com quem a instituição de ensino tenha vínculo, demonstrando-se ao contratante (pais de alunos) em condições de seguir o pagamento sua responsabilidade social em manutenção do contrato.

2.2) Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio)

Deverão as instituições de ensino cumprir seu dever de informação nos seguintes termos:

a) encaminhando a seus alunos/responsáveis planilha de custos referente aos meses já vencidos do ano de 2020, bem como planejamento de custos referente a todo o ano corrente;

b) esclarecendo seus alunos/responsáveis sobre eventual diminuição nos valores referentes à prestação dos serviços educacionais (redução das mensalidades), decorrente da suspensão das aulas presenciais;

c) esclarecendo seus alunos/responsáveis sobre eventual realização de aulas presenciais em período posterior, com a consequente modificação do calendário de aulas e de férias, inclusive especificando se estas serão antecipadas (por isto que não se pode impor a redução das mensalidades escolares, pois a ideia é que as aulas sejam repostas num momento posterior);

d) esclarecendo seus alunos/responsáveis sobre eventual prestação das aulas na modalidade à distância, observada a legislação aplicável à espécie, caso em que deverá ser preservada a qualidade do ensino e validada pelos órgãos competentes (por isto que não se pode impor a redução das mensalidades escolares, pois a ideia é que as aulas no formato EAD valham como aulas dadas, com a mesma qualidade que as presenciais);

2.3) Ensino Superior

Deverão as instituições de ensino superior cumprir seu dever de informação.

3. Contratos acessórios

Os contratos acessórios, tais como atividades extracurriculares e alimentação cobradas separadamente, deverão ter seu pagamento suspenso enquanto durar a paralisação dos serviços educacionais presenciais. Após retomada, o pagamento deverá ser proporcional aos dias em que o serviço será executado.

5. Sanções por inadimplemento A instituição de ensino deve buscar flexibilizar as sanções contratuais para aqueles que não puderem realizar o pagamento das mensalidades praticados no período, bem como fornecer condições de pagamento posterior sem encargos financeiros.

Você também vai gostar de ler

Escola Particular deve arcar com os custos da educação especial
Qual a importância da inclusão escolar
Você já ouviu falar em Regimento Escolar?

Sobre Claudia Hakim

Avatar
Advogada Especializada em Direito de Educação e Especialista em Neurociência e Psicologia Aplicada Autora do Blog e grupo no Facebook voltado para a Educação de Crianças Superdotadas : “Mãe de Crianças Superdotadas : www.maedecriancassuperdotadas.blogspot.com Membro Fundadora do Instituto Brasileiro de Superdotação e Alterações do Neurodesenvolvimento (IBSDND) Contato : claudiahakim@uol.com.br/ Fone : (11) 35113853

Veja também

Quando há indeferimento da equivalência de estudos realizados no exterior por aluno brasileiro

Sabe-se que nestes últimos 18 (dezoito) anos ocorreu uma ampla integração internacional, com mudança no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *