Home / Colunistas / Dra. Raquel Luzardo / Desenvolvimento infantil – Linguagem e fala

Desenvolvimento infantil – Linguagem e fala

Como os pais e a escola podem ajudar no processo do desenvolvimento infantil: Linguagem e Fala

A chegada de um bebê na família é sempre motivo de alegria. Um sorriso, o balbucio, as primeiras palavras com significado, todo o seu desenvolvimento é comemorado. Cada uma destas conquistas é um indicador de como está ocorrendo o desenvolvimento da fala e da linguagem dos filhos. Mas quando algo sai do padrão esperado, é necessário procurar ajuda de um profissional.

 

Mas qual a diferença entre linguagem e fala?

A maioria dos pais chega no consultório com essa dúvida. É normal porque poucas pessoas sabem diferenciar a linguagem da fala.  A linguagem é o primeiro passo para a fala, é tudo o que envolve conceito das coisas, que transmite alguma informação ao interlocutor: nomes, funções, cores, formas. Ela é a base da comunicação, que pode ser verbal ou não verbal. A fala nada mais é do que movimentos articulatórios combinados, que produzem sons com significado na língua materna. Deu pra entender? Ou só um pouquinho? É um pouco confuso mesmo.

Mas linguagem e fala não são sinônimos, tanto que muito antes do bebê emitir suas primeiras palavras (fala), ele já é capaz de utilizar-se de codificação (linguagem) para se relacionar com o meio e seus familiares. O desenvolvimento da linguagem e da fala não precisam ser considerados separadamente, porque um tem muita relação com o outro.

Desenvolvimento da Linguagem

Ainda que as pessoas apresentem diferenças, é possível prever o que ocorre em cada etapa de aquisição da linguagem por faixa etária e os fatores que podem influenciar o desenvolvimento da linguagem infantil.

 0 – 12 meses

Características o choro é o principal meio de comunicação, com o passar dos meses, surgem os sons guturais. Com seis meses, o bebê já se acostuma com a voz familiar e começa a procurar a fonte dos sons. Com maior controle motor, os sons vão sendo reproduzidos ou para ouvir a própria voz ou para obter reações daqueles que estão a sua volta, iniciam consonantizações: “p”, “b, “m”, “g” e “k” e silabações: “gugugaga”, “dadada”, reações emocionais ou de interesse como choro, risos, e gritinhos, conforme o que ouve ou vê a sua volta, observa os objetos e acontecimentos do ambiente, passa a falar as primeiras palavras e a usar mudanças de entonação vocal.

O que fazer?

Converse durante o banho, a alimentação e as trocas, fale o que está fazendo e nomeie as partes do corpo para o seu bebê. Brinquedos que emitem sons ou que brilhem são de grande interesse da criança. Busque estar sempre no campo de visão do bebê, use e abuse de entonações vocais e emissão de sons de objetos e animais, aproveite para trabalhar vocabulários.

O que evitar?

Evite se antecipar: é comum ao menor gesto do bebê o adulto já atender ao pedido rapidamente “adivinhando”. O bebê precisa começar a se esforçar para se fazer entender.

Atenção:

Se o bebê não reage a sons, não sorri, não estabelece contato visual.

1 – 2 anos

Características começa a compreender palavras com sentido abstrato (emoções, “obrigado”, “por favor”, “espera”), reage as situações chegando até a simular sentimentos para conseguir o que quer. Compreende o que as pessoas esperam dela pelo tom de voz e expressão corporal e facial. No início, pode usar de 20 a 30 palavras e as repete, dando início à formação de frases simples, compreende mais de 50 palavras e identifica objetos comuns e partes do corpo, usa onomatopeias e imita sons de objetos, faz variação na entonação vocal, na postura corporal e expressão facial de acordo com o contexto. Próximo do 2º ano, apresenta um vocabulário de cerca de 100 palavras, formando frases com 2 ou 3 delas. A fala, na maior parte das vezes, é ininteligível, difícil de entender, passa a usar a oralidade não somente para pedir ou nomear, mas também para compartilhar interesses. Tenta cantar quando ouve uma música que gosta. Demonstra conhecer alguns conceitos de tamanho, distância, cores e formas. Compreende ordens com dois comandos, por exemplo: Coloque o copo na mesa;” “Pegue o brinquedo na estante”.

O que fazer?

Rodas de leitura descrevendo as imagens do livro: expresse emoções com os personagens, faça suposições sobre o que pode acontecer a seguir, compartilhe interesses por características do local em que os personagens estão e das roupas que usam. Com a música cante junto, faça coreografias que remetam a palavras que estão sendo cantadas. Use a contagem para regular a espera (um, dois, três e já). Dê repertório de palavras para a criança, nomeando objetos, ações e situações a sua volta. Use uma fala que seja clara e simples para a criança utilizar como modelo.

O que evitar?

Se antecipar quando a criança quer comunicar algo. Uso de chupeta e mamadeira podem trazer problemas, como alterações na arcada dentária ou projeção da língua ao falar.

Atenção:

Se a criança não reage a estímulos, não usa palavras isoladas, não está ampliando o vocabulário.

2– 3 anos

Características usa cerca de 500 palavras. Estrutura frases simples. Pode apresentar uma gagueira natural – disfluência fisiológica. Aos poucos suas frases vão ficando maiores, agregando o uso de artigos, verbos, preposições, plurais e verbos auxiliares, inicialmente de forma assistemática e posteriormente sistemática. Apresenta um bom conhecimento de verbos, respondendo adequadamente quando é solicitado a realizar diversas ações (comer, andar, correr, pegar) em diferentes contextos. Tenta reproduzir em objetos ritmos de sons e músicas. Conhece diversas cores.

O que fazer?

Repita o que ela diz indicando que você entendeu. Mantenha uma conversa por mais tempo do que o habitual, para que a criança tenha cada vez mais contato com discursos longos e complexos. Durante as leituras, faça perguntas para criança sobre o que aconteceu anteriormente e suposições sobre o que poderá ocorrer nas próximas páginas; use entonação vocal diferente para cada personagem.

O que evitar?

Em momentos de gagueira, evite: completar frases, apressar a criança, mostrando impaciência. Peça para que se acalme e respire antes de falar.

Atenção Se a criança: não compreende instruções simples. Tem vocabulário reduzido. Apresenta alguma regressão.

3 – 4 anos

Características usa cerca de 800 palavras. Demonstra conhecer conceitos: duro, mole, macio. Começa a ter diálogos e pensamentos que envolvam raciocínios de tempo e a fazer argumentações. Entende e tenta replicar ironias e piadas. Inicia discurso em todos os contextos: para solicitar, mostrar e contar algo ou apenas para interação social.

O que fazer?

A criança já inventa histórias, compreende regras e jogos simples. Aproveite para estimular essa interação e invista nas brincadeiras de faz de conta. Continue estimulando a conversação, servindo de modelo.

O que evitar?

Evite sempre que possível fazer outras atividades enquanto fala com a criança, encorajando que ela faça contato visual ao conversar. A presença de fala infantilizada, gagueira funcional e dificuldades em estruturar discursos ainda podem estar sendo trabalhadas pela criança e não devem ser reprimidas, é preciso ter paciência!

Atenção Se a criança: utiliza discursos que ninguém compreende. Usa mais gestos do que palavras. Não adquiriu ainda todos os fonemas ou realiza trocas de sons na fala.

Acima de 4 anos

Características com vocabulário ampliado, a criança tem fala adequada e correta, sendo capaz de pronunciar melhor as palavras e relacioná-las bem. Nesta fase, gosta de inventar histórias, é capaz de descrever melhor acontecimentos passados e usa a linguagem para o raciocínio. Compreende mais de 2,5 mil palavras, conhece opostos e já mantém mais a atenção.

O que fazer?

Converse sobre conceitos abstratos (duro, mole). Incentive a fazer perguntas e fornecer respostas. Incentive leitura e escrita, O uso de conceitos como sinonímia (palavras que apresentam significados iguais ou semelhantes, por exemplo: bondoso-caridoso) e antonímia (palavras que apresentam significados diferente, contrários, por exemplo: bondoso– maldoso).

O que evitar?

Não apresse a fala da criança. Não imite o falar errado. Não repreenda quando a criança falar, ler ou escrever errado.

Atenção Se a criança: não consegue descrever acontecimentos troca sons na fala, não articula corretamente ou não faz perguntas não reconhece letras, usa frases sem coerência ou lógica, tem algum tipo de gagueira.

Sobre Raquel Luzardo

Raquel Luzardo
Fonoaudióloga, especialista em linguagem, diretora da Clínica FONOterapia, atua há mais de 15 anos em atendimento infantil, orientação familiar e assessoria escolar. Casada com o Yan e mãe do Gabriel, acredita que a comunicação é a ferramenta para as relações acontecerem de forma plena e feliz!

Veja também

Bullying do ponto de vista jurídico: Menina que sofria bullying será indenizada pelo Estado

Bullying do ponto de vista jurídico : Tribunal de Justiça de SP condena escola a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.