Home / Papai / Comportamento / Dormir como um bebê

Dormir como um bebê

Obviamente quem inventou a máxima “dormir como um bebê” nunca teve filhos…

Vou contar uma história para vocês:

“Era uma vez, um jovem casal de médicos, que decidiu se mudar de cidade, cerca de sete meses após o nascimento de seu primeiro filho. Foram em busca de melhor qualidade de vida e melhores oportunidades profissionais; deixaram a cidade em que moravam, onde também moravam seus pais e recomeçaram a vida nessa nova cidade. Seu lindo bebezinho de sete meses de idade, que até então dormia sozinho em seu berço, começou a dar um certo trabalho para adormecer e quando menos se esperava… Lá estava ele dormindo na cama dos pais!”

familia co sleeping (close)

Bem, como pediatra sempre aprendi que deixar a criança dormir na cama dos pais é uma coisas terrível, perigosa, pouco aconselhável… Mas como mãe, descobri que inúmeros motivos (quase sempre bem justificáveis) acabam fazendo com que a realidade seja bem diferente daquilo que preconizamos no consultório.

Não, eu não aconselho a prática da cama compartilhada de forma rotineira, mas também não condeno quem o faça. Acho que o mais importante é identificar os reais motivos que levaram o bebê para a cama dos pais: cansaço, desconhecimento sobre o sono dos bebês, facilidade para amamentar à noite, uma sensação de carência e desamparo que algumas mães sentem nos primeiros meses de vida do bebê e sejamos sinceros: é uma delícia dormir pertinho do seu bebezinho, tão quentinho, tão cheirosinho, tão protegido ao seu lado…

Outro aspecto fundamental diz respeito às expectativas daquela família em relação ao sono. O tempo passa, o bebezinho cresce, o espaço começa a ficar meio apertado… Sem contar a vida afetiva do casal. Li em algum lugar na internet que a criança vai para seu próprio quarto de forma natural, por vontade própria, quando não sente mais necessidade de dormir com os pais. Gostaria muito de saber quando isso acontece…

Continuando a história que eu estava contando no início do post:

“Lá estava ele dormindo na cama dos pais! Por um tempo, essa se mostrou uma excelente solução, porém, a qualidade de sono de todos se tornou péssima, mãe, pai e bebê. Até que com dois anos e meio mamãe e papai decidiram que era hora do pequeno dormir em sua própria cama. Já se prepararam para noites terríveis, muito choro e brigas, mas para surpresa geral… Não foi tão terrível quanto pensaram! A forma que planejaram a transição funcionou super bem, com algumas adaptações pelo meio do caminho, e em algumas noites, o pequeno Lucas já estava dormindo sozinho em sua própria cama, sem acordar na madrugada, sem chamar “mamãe” insistentemente às 3 horas da manhã, mas ainda mantendo seu mau humor matinal. FIM”.

Dois fatores foram decisivos para que essa história tivesse um final feliz, sem muitos sofrimentos. Em primeiro lugar, ter um plano para realizar a transição cama dos pais-própria cama e se ater ao plano. Você pode usar técnicas já conhecidas, procurar em livros, na internet ou você pode desenvolver seu próprio plano. O que você vai fazer não importa; o que realmente importa é a consistência das suas atitudes. Em segundo lugar, é preciso querer do fundo do coração que a criança realmente durma em sua própria cama. Porque, às vezes, a gente quer de forma consciente, mas inconscientemente a gente está sofrendo com essa separação na hora de dormir.

Adoro histórias com final feliz! Beijos e nos vemos no próximo post.

Sobre Dra. Patricia Carrenho Ruiz

Patricia Carrenho Ruiz, médica pediatra e neonatologista. CRM 113719. Mãe do Lucas, nascido em janeiro de 2012, atualmente, se dedica a ser uma boa mãe pediatra e também uma boa pediatra mãe, refletindo sobre aspectos técnicos, mas também humanísticos dos cuidados com as crianças. Consultório em São José dos Campos. Contato (12) 3922-0331

Veja também

Encceja 2018 será aplicado em Datas Diferentes

Encceja 2018 :  O principal Exame Certificador do Brasil irá acontecer em quatro diferentes datas …

6 comentários

  1. Minha filha mais velha sempre gostou de dormir com a gente. Ela pegava no sono mamando comigo deitada na cama até os 6 meses. Depois a gente deixava no berço. Ela sempre se mexeu muito a noite, e dormir com ela é impossível. Mas ainda hoje, com 4 anos, ela as vezes acorda pra ir pra nossa cama. A gente deixa ela lá para terminar a noite… Acho que ela tem sente falta de ficar assim pertinho. O meu mais novo dormiu do meu lado até os 3 meses, com a boca no meu peito a noite toda, mamando. Ele mamava tanto de madrugada que eu deixava uma garrafa de água e biscoitos perto da cama, eu sempre acordava de noite morrendo de sede e fome! Como ele ganhava peso muito devagar (e eu não tive leite suficiente pra minha filha, que sempre tomou suplemento mais o meu leite pra poder ganhar peso) eu deixava… De madrugada a mãe era só dele, e ele podia mamar quanto quisesse. Com 3 meses foi pro berço sem drama, e hoje, com um ano e meio, precisa do espaço dele para dormir e não gosta de dormir com a gente. Acho que cada criança tem uma necessidade diferente, e se a gente deixar que eles sejam dependentes agora, que são pequenos, eles depois crescem mais confiantes. Ninguém vai levar a mãe pra faculdade porque não consegue dormir só, né?

    • Dra. Patricia

      É verdade… Cada criança tem seu tempo, cada família tem sua história e a gente tem que saber respeitar as escolhas de cada um no que concerne à criação de filhos… Abraços!

  2. Eu tb compartilhei a cama com a minha filha por volta dos 7 meses, até hoje com 1 ano e 5 meses, e grávida novamente não soube voltá-la a cama, acho que o que me falta mesmo é a força de vontade de o fazê-lo. É muito mais comodo trazê-la pra perto de mim sempre q ela acorda no bercinho dela.
    Mas ja tenho que começar a bolar um plano, pois não quero que isso perdure muito tempo.

    Adorei o post.

    • É difícil mesmo, ainda mais chegando o segundo… O fator mais importante é a coragem pra atravessar os primeiros dias, depois engrena…

  3. Oi Pat! Também dei com a língua nos dentes, rs. Depois de 14 dias viajando com a pequena de 6 meses não consigo mais devolvê – lá ao berço no meio da noite…
    Vamos ver como essa história vai acabar. Espero que tenha final feliz como a de vocês. Bom saber que até com pai e mãe pediatras todos são pais de primeira viagem como todos, praticamente. Bjos e parabéns pelo trabalho.

    • Esse era meu medo também, pois quando a gente viaja fica tudo meio bagunçado… Mas o Lucas também já entendeu que em casa funciona de um jeito e que viagens são exceções…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.