Home / Colunistas / Dra. Daniela Barbosa / Trocas na fala, se não tratadas, podem ocorrer também na escrita

Trocas na fala, se não tratadas, podem ocorrer também na escrita

Falar para escrever

Como já abordamos no artigo Etapas do desenvolvimento da fala e da linguagem do bebê até 6 anos, o desenvolvimento da linguagem na criança ocorre de forma gradual e constante e, aos cinco anos de idade, a criança já é capaz de falar adequadamente todos os fonemas (sons) da língua portuguesa. Nesta idade ela ingressa em outra importante fase de seu desenvolvimento: a aquisição da linguagem escrita.

O domínio da escrita ocorre de forma semelhante e dependente da linguagem oral. Neste processo, a criança conhece a relação dos sons da fala com seus símbolos gráficos e passa a reconhecê-los, por exemplo, em seu próprio nome.

Fala e escrita têm grande relação entre si.

Foto: Reprodução www.hivesociety.com
Foto: Reprodução www.hivesociety.com

Se falar errado, pode aprender a escrever errado?

Quando a criança inicia o processo de alfabetização apresentando trocas na fala que não são mais esperadas à sua idade (por exemplo: “pola” (bola), “tato” (dado), “faca” (vaca)), comumente ela transfere estes mesmos erros para a escrita. Isso porque nosso processo de alfabetização na fala um importante apoio. É só lembrarmos como até hoje, quando temos dúvidas na forma correta da grafia de uma palavra, a pronunciamos em voz alta, na tentativa de transcrever o que ouvimos.

E quando a criança fala corretamente e mesmo assim apresenta muitas trocas na escrita?

Novamente fazendo uma comparação com a fala. Assim como nenhuma criança nasce sabendo falar, o mesmo é para escrever. Erros na escrita são esperados nos primeiros anos da alfabetização, porém, a partir dos 9 anos de idade a criança deve apresentar um processo de escrita mais organizado e com pouquíssimas trocas.

Casos em que estes erros persistem ao longo dos anos e de forma intensa devem ser investigados por fonoaudiólogo. A avaliação fonoaudiológica terá como objetivo:

  • Diagnosticar o problema: dificuldades persistentes na escrita e no aprendizado podem ser sinal dislexia ou distúrbio de aprendizagem, por exemplo.
  • Identificar as possíveis causas: problemas auditivos ou visuais também podem prejudicar a alfabetização da criança. Trocas na escrita relacionadas ao som das letras (f/v, p/b) podem ser decorrentes de problemas auditivos. Já as trocas de letras como m/n, p/q, b/d indicam a necessidade de investigar possíveis problemas visuais.
  • Tratar: fonoaudiólogos e psicopedagogos são alguns dos profissionais que podem auxiliar na superação das dificuldades na escrita.

 

Neste início de ano letivo, a dica é: não espere o problema resolver sozinho! Se no primeiro trimestre de aulas você observar alguma dificuldade persistente, converse com o professor e busque também orientações com especialistas.

Abraços,

 

Dislexia e Distúrbios de Aprendizagem

O disléxico tem dificuldades:

1) para ler, escrever e soletrar;

2) de entender o texto escrito;

3) para identificar fonemas, associá-los às letras e reconhecer rimas e a presença dos mesmos sons em diferentes palavras;

4) de ortografia, como troca de letras, inversão, omissão ou acréscimo de letras e sílabas.

As causas para o atraso da aquisição da linguagem são diversas. O importante é o tratamento precoce para assim, evitar alterações na aquisição da linguagem escrita.

Sobre Dra. Daniela Barbosa

Dra. Daniela Barbosa (CRFa. 15230-2) é fonoaudióloga, mestre em Ciências da Reabilitação e especialista em Motricidade Orofacial pela USP. Professora do Curso de Fonoaudiologia da Unopar. Faz parte da equipe de As Fissuradas, no Facebook, onde mantém um diálogo aberto com as mães. Atua em consultório particular e também em centro especializado em malformações craniofaciais.

Veja também

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 | Deficiência Intelectual Leve

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 – deficiência intelectual leve. Direito ao …

Um comentário

  1. luana antunes

    oi dr.Daniela,parabens pelo seu trabalho,quero tirar uma duvida,desde já agradeço.Eu sou fanha,pelo fato de nascer com fenda palatina e não te operado qdo era bebe,operei com 20 anos de idade ,mais não tive resultado nenhum na fala,mas resumindo eu já estou conformada,mas a minha pergunta é,…Minha filha nasceu com fenda palatina(palato mole e duro},mais graças a deus vai ser operada agora dia 23 de abril,pois ela tem 1 ano de idade,então se eu acompanha ela desd agora após opera com fono,eu vou ter resultados 100% na fala?pois quero fazer tudo q eu puder pra ela falar corretamente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.