Home / Mamãe / Comportamento / Como achar o pediatra ideal para seu filho e você

Como achar o pediatra ideal para seu filho e você

A saga para achar o pediatra ideal para seu filho pode não ter fim até que você comece a ver não só as necessidades de seu pequeno, mas as suas também.

pediatra-700

Costumo dizer que o Dr. Paulo é o meu pediatra, afinal ele também atende minhas expectativas, anseios, encanações, neuras e, com um pouco de psicologia que a profissão exige, também me acalma quando ligo desesperada porque a Larissa caiu do encosto do sofá e está com um galo gigante na testa.

Conselhos todas as mamães ouvem aos montes, de mãe, de tia, de irmã, de amiga. Alguns são ótimos, outros nem tanto, e ainda tem aqueles que você não está nem um pouco no clima de ficar ouvindo, mas em prol da boa convivência acaba fingindo que vai seguir cada palavra. Mas assumo que orientações só sigo do meu pediatra!

O pediatra ideal vai além do conhecimento técnico (nem preciso dizer a importância desse item, certo?), você precisa se sentir segura, suas orientações e diagnósticos precisam ser explicados de uma forma que você compreenda. Esse quesito também tem relação com personalidade, a sua e a do médico. O que é bom para mim pode não ser bom para você, o pediatra ideal para mim pode ser completamente diferente do ideal para você, mesmo que eles tenham o mesmo nível de conhecimento e competência.

Cheguei ao meu pediatra por uma indicação do meu obstetra, que é um médico fantástico e que admiro muito. Confesso que nem realizei aquela primeira consulta ainda grávida, aguardei meu filho nascer e, ao sair da maternidade liguei agendando a primeira consulta (aiai, essa primeira consulta tem tanta emoção e insegurança envolvida que será assunto para outro post).

Após a primeira consulta em que eu e meu marido estávamos completamente fora de órbita, sem que a ficha de termos um neném em nossa casa tivesse caído, voltamos para a casa satisfeitos e as dúvidas foram surgindo depois e resolvidas em cada consulta. Com o passar dos meses (consultas semanais no primeiro mês, depois mensais durante o primeiro ano) a nossa relação com o Dr. Paulo foi se construindo, sempre sendo recebidos pelo nome, com um sorriso e um cumprimento informal que me deixava muito a vontade para falar sobre minhas dúvidas, inseguranças, como o Lucas havia passado desde a última consulta.

Quando o Lucas entrou na escolinha, com 6 meses, começou a nova fase da minha relação com o pediatra, a fase em que eu precisava ligar fora do horário de atendimento, aos finais de semana e de madrugada (sim, já liguei às 3 da manhã desesperada porque o Lucas não parava de vomitar e eu não sabia o que fazer – era sua primeira virose). Sempre fui atendida com carinho, claro que de forma rápida, afinal consulta e diagnóstico não se faz por telefone, mas sempre com uma recomendação importante, seja de medicamento, seja para ir ao consultório em uma hora determinada para ele examinar meu pequeno. E foi então que eu percebi que no quesito disponibilidade a equipe do Dr. Paulo me atendia perfeitamente.

E hoje me encontro em outra fase que me fez descobrir outra característica que eu considero importante em um pediatra, o carinho e atenção com meus filhos. O Lucas está com 4 anos e quando o Dr. Paulo chega na sala de atendimento ele cumprimenta a todos e então pergunta ao Lucas (e não para mim ou meu marido) como que ele tem passado. Meu filho se sente tão importante, tão feliz por contar sua história e por ninguém precisar falar por ele! Após o bate papo entre médico e paciente chega minha vez de complementar as informações e enquanto o Lucas é examinado. A relação de confiança entre meus filhos e o pediatra é tão bacana que, quando eles não estão se sentindo bem, já comemoram que precisam ir ao médico e tem que ser o Dr. Paulo.

O pediatra ideal tem esse talento, de atender, diagnosticar e cuidar da saúde das crianças ao mesmo tempo que ouve, acalma e “trata” das neuras das mamães e papais.

Eu confio no pediatra de meus filhos, sigo suas recomendações sem hesitar e adoro suas explicações (sem firulas) sobre alguma alergia, reação ou doença que meus filhos possam estar.

Algumas pessoas me perguntam como achar o pediatra ideal para seu filho, e minhas recomendações são:

  1. Peça indicações para médicos de sua confiança, amigos e parentes;
  2. Avalie seu currículo e, se possível, converse com outras mamães pacientes para saber um pouco mais de sua forma de atender;
  3. Se prepare antes das consultas, ou seja, leve suas dúvidas anotadas e pergunte tudo! É uma ótima oportunidade para conhecer um pouco mais o pediatra e seu estilo de atendimento;
  4. Pesquise por outro pediatra se achar que o “seu santo não bateu com dele”, afinal em caso de dúvidas ou emergências, ele será o primeiro nome que deverá vir à sua cabeça e é com ele que você tem que querer falar;
  5. Pesquise por outro pediatra se não confiar nos diagnósticos e orientações;
  6. Evite pular de pediatra em pediatra, somente quem acompanha o desenvolvimento de seu filho poderá dar um diagnóstico mais seguro e tratamento eficaz. Uma única consulta num outro profissional que irá sugerir outro tipo de tratamento poderá atrasar a recuperação de seu pequeno, pois o primeiro tratamento ainda não foi finalizado;
  7. Lembre-se que sua relação com seu pediatra será construída não na primeira consulta, mas em todas as outras ocasiões em que você precisará de seu atendimento.

 

Gostou desse post? Já encontrou o seu pediatra ideal? Fale um pouco mais sobre suas dúvidas ou experiências com pediatra alí nos comentários ou envie um e-mail para mim: monica@almanaquedospais.com.br

Grande beijo e até breve!

Você também vai gostar de ler:

A primeira consulta com o pediatra escrito pela Dra. Patrícia Ruiz.

Sobre Monica Romeiro

Monica Romeiro
Monica Romeiro é mamãe babona e apaixonada do Lucas - nascido em janeiro de 2011 - e da Larissa - nascida em julho de 2012 -, casada, publicitária por formação e empreendedora na Internet por paixão – paixão por criar, ler, escrever, pesquisar, colaborar, navegar, ajudar e compartilhar suas experiências. Escreve (sem papas na língua) sobre maternidade e dá dicas sobre empreendedorismo.

Veja também

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 | Deficiência Intelectual Leve

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 – deficiência intelectual leve. Direito ao …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.