Home / Colunistas / Dra. Genevieve Coelho / Três pesquisas do Instituto Valenciano de Infertilidade para melhorar o tratamento da infertilidade masculina

Três pesquisas do Instituto Valenciano de Infertilidade para melhorar o tratamento da infertilidade masculina

Foi apresentado na semana passada 3 estudos do grupo IVI no congresso mais importante de reprodução humana no mundo (Congresso ESHRE) realizado anualmente na Europa, e que nesta edição aconteceu em Genebra, na Suiça.

Apesar de 4 de cada 10 casos de infertilidade do casal são atribuídos a fatores masculinos, o que é a mesma porcentagem que se atribui a fatores femininos. Portanto, os avanços na seleção de espermatozoides são de grande importância para melhorar os resultados dos tratamentos de fertilidade.

O diagnóstico e tratamento da infertilidade masculina tem sido historicamente menos estudado que o diagnóstico e tratamento da mulher, mas conforme a pesquisa apresentada por especialistas do grupo que estou orgulhosa de fazer parte, existem atualmente alguns exames simples, que nem sempre são realizados que poderiam aumentar a precisão do diagnóstico, e portanto, melhorar os resultados dos tratamentos.

Tudo começa pelo espermograma

Na avaliação da fertilidade do casal realizada nos homens, o espermograma é o exame básico que todo especialista solicita. Este exame, realizado a partir de uma amostra ejaculada, estuda a mobilidade, aspecto morfológico e nível de concentração dos espermatozoides. No entanto, o espermograma não considera os aspectos genéticos (cromossômicos), nem a quantidade de material genético dos espermatozoides,

Apesar do espermograma incluir variantes de normalidade, algumas alterações cromossômicas não identificadas no exame são a causa de uma qualidade mais baixa do sêmen, que consequentemente afeta os resultados de gravidez conforme a pesquisa realizada por nossa colega de trabalho na Espanha, a Dra Cristina González, coordenadora dos laboratorios de Andrologia do grupo IVI.

Além do espermograma, o que deve ser solicitado para avaliar a fertilidade masculina:

– Cariótipo

Para considerar a saúde genética, é preciso realizar o exame de cariótipo, que é uma “fotografia” dos cromossomos das células contidas no sangue. Este exame também deve ser realizado pela mulher. O cariótipo identifica fatores de infertilidade imperceptíveis pelos exames morfológicos básicos realizados no casal.

– Fragmentação de DNA espermático

Com a mesma amostra coletada para o espermograma, é possível realizar o estudo do DNA espermático, este exame utiliza uma técnica que consiste em projetar uma luz laser nas células para analisar diferentes características celulares. Este teste identifica a eventual existência de anomalias no DNA dos espermatozoides, o que influencia na qualidade do futuro embrião gerado a partir da fecundação do óvulo, conforme indica a pesquisa do Dr Alberto Pacheco, diretor do laboratório de andrologia do IVI Madri, apresentada no congresso.

– Biópsia testicular em casos mais graves

O estudo coordenado pelo diretor da Fundação IVI, Dr Nicolás Garrido, identificou que a biópsia testicular pode ser uma alternativa para melhorar os resultados de gravidez nos casos de rupturas e lesões no material genético dos espermatozoides, algo também conhecido como a fragmentação do DNA.

O estudo realizado identificou que a fragmentação do DNA foi 24% mais baixa ao obter a amostra de espermatozoides através de uma biópsia testicular. Esta melhora permite reduzir o risco de aborto e obter uma taxa superior de recém-nascidos vivos nos casos mais graves de baixa concentração de espermatozoides, onde o risco de fragmentação do DNA é maior.

Esta técnica é mais invasiva, mas deveria ser considerada em determinados casos, pois permite obter os espermatozoides em uma etapa anterior às rupturas e lesões.

Você também vai gostar de ler:

Varicocele representa 40% das causas de infertilidade masculina
Doença sexualmente transmissível – DST- pode causar infertilidade?
Influência da abstinência sexual na fertilidade masculina
Homem com azoospermia pode ter filhos?

Sobre Dra. Genevieve Coelho

Dra. Genevieve Coelho
Dra. Genevieve Coelho é ginecologista especialista em reprodução humana pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI), na Espanha, e especialista em vídeo cirurgia pelo Instituto São Rafael em Milão, Itália. Dirige o IVI Salvador desde sua fundação em 2009. www.ivi.net.br (71) 3014 9999

Veja também

Quanto tempo após aborto posso engravidar novamente?

Quanto tempo após aborto posso engravidar novamente? Conheça os fatores que determinam o tempo de espera para uma nova gravidez após aborto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.