Home / Colunistas / Dra. Taila Billa / Atendimento odontológico a pacientes especiais

Atendimento odontológico a pacientes especiais

Pacientes com necessidades especiais (PNEs) são indivíduos que apresentam uma alteração ou condição, simples ou complexa, momentânea ou permanente, de etiologia biológica, física, mental, social e/ou comportamental, que requer uma abordagem especial, multiprofissional e um protocolo específico.

A Associação Internacional de Odontologia para o Paciente com Necessidades Especiais (IADH — International Association for Disabilities and Oral Health) orientou a distribuição dos PNEs em:

  • – Deficiência mental
  • – Deficiência física
  • – Deficiência congênita (deformações, síndromes)
  • – Distúrbios comportamentais (autismo, bulimia, anorexia)
  • – Transtornos psiquiátricos (esquizofrenia, depressão, fobias, ansiedade)
  • – Distúrbios sensoriais e de áudio-comunicação
  • – Doenças sistêmicas crônicas (diabetes, cardiopatias, doenças hematológicas, insuficiência renal crônica, doenças auto imunes, doenças vesículo bolhosas)
  • – Doenças infectocontagiosas (hepatites, HIV, tuberculose
  • – Condições sistêmicas (irradiados, transplantados , oncológicos, gestantes, imunocomprometidos)

O atendimento odontológico ao paciente especial deve ser realizado em conjunto com a família e por uma equipe multiprofissional. Estas pessoas precisam de atendimento preventivo e curativo, principalmente na área que engloba a cárie e a doença periodontal, porque a maioria destes pacientes não consegue realizar uma boa higiene oral, necessitando da ajuda de algum parente, que se torna parte indispensável para o sucesso do tratamento odontológico.

crianca-down by wikimedia

Na primeira consulta deve-se estabelecer uma aproximação com o paciente e seus familiares para conhecer o estado de saúde geral.

Alguns pacientes podem levar algum tempo para criar uma relação de confiança com o profissional, o que estende o período do tratamento em si, pois o ideal é o dentista realizar o atendimento após estabelecer este vínculo com o paciente, evitando um trauma.

Após essa aproximação e confiança, que pode precisar de várias visitas à sala/clínica para que o paciente se adapte àquela rotina, quando ele estiver tranquilo e confiante irá cooperar com o exame clínico, que indicará o problema e o tratamento a ser realizado.

Alguns pacientes necessitam de ajuda para ficar numa posição correta e confortável como, por exemplo, pacientes com alterações músculo esqueléticas, que necessitam de um posicionador sobre a cadeira odontológica. Este posicionador pode ser uma almofada específica para pacientes especiais que se modela ao corpo do paciente e cria uma superfície firme e uniforme de apoio ou rolos de edredom nas laterais da cadeira.

Foto: reprodução  www.digitisbrasil.com.br
Foto: reprodução www.digitisbrasil.com.br
Foto: reprodução www.dentalbuzz.com
Foto: reprodução www.dentalbuzz.com

O atendimento odontológico pode ser feito dentro de 3 modalidades:

– Normal

Onde há a cooperação do paciente.

– Condicionado

Que utiliza técnica de demonstração com todo o material a ser utilizado, para que o paciente saiba o que vai ser utilizado em sua boca – os barulhos e vibrações que os instrumentos irão fazer.

– Sob contenção

Física ou química. Pacientes que apresentem problemas graves no que se refere à cooperação e ao manejo, devem ser considerados dentro do grupo com indicação para a contenção química e anestesia geral.

A contenção física engloba desde uso de abridores de boca até a restrição de movimento.

Contenção ativa: feita pelos pais, acompanhantes ou auxiliar.

Contenção passiva: bloco de mordida, pacote pediátrico ou papoose board, um tipo de avental médico para limitar a movimentação, embrulho pediátrico com lençol, lençol e faixas em napa e velcro, holding therapy (terapia do abraço).

A contenção química é indicada para pacientes que apresentam medo, ansiedade, imaturidade e hiperatividade, com reflexo de ânsia, e que não foi possível condicionamento psicológico (conversas) ou contenção física. Vai desde sedativos leves à anestesia geral em ambiente hospitalar.

O importante é existir um bom relacionamento entre paciente – família – equipe profissional, consultas curtas para evitar stress e elogios após cada consulta, fazendo com que o paciente se sinta motivado a ter um bom comportamento.

No Brasil, a área da odontologia especializada em atendimentos de pacientes especiais está crescendo, mas ainda são poucos profissionais capacitados para este tipo de atendimento perto do número de pacientes.

 

Sobre Dra. Taila Billa

Dra. Taila Billa é dentista especialista em ortodontia com aperfeiçoamento em cirurgia bucal. Atende em consultório próprio na cidade de Taubaté - SP. Contato: (12) 3026-8789.

Veja também

O que esperar na primeira consulta com o ortodontista?

Entenda o que esperar na primeira consulta com o ortodontista, o que é avaliado e os tipos de de aparelho (móvel ou fixo) será indicado para o tratamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.