Home / Colunistas / Dra. Claudia Hakim / Crianças Superdotadas: como identificar e lidar com elas

Crianças Superdotadas: como identificar e lidar com elas

 O que é a superdotação?

A superdotação é um fenômeno que se caracteriza por uma elevada capacidade mental e um nível de performance significativamente superior à média da população. Não é doença, nem transtorno. É um constructo psicológico. Nos Estados Unidos, o sistema educacional tem o objetivo de identificar estudantes, crianças, ou jovens que demonstram grandes habilidades na área intelectual, criativa, artística, capacidade de liderança ou em determinadas áreas acadêmicas específicas, e que precisam de serviços e atividades normalmente não fornecidos pela escola, a fim de desenvolver plenamente essas habilidades. Infelizmente, aqui no Brasil, estamos distantes de chegar  neste propósito de atendimento escolar. A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que entre 3,5% a 5% da população brasileira seja composta de superdotados.

menina-superdotada

Como é medido o grau de superdotação?

O grau das capacidades mentais pode ser medido através da aplicação e análise de testes de inteligência, tais como RAVEN, WISC ou WAISS (para adultos), que apresentam uma escala padronizada de Q.I. (Quociente de Inteligência), e nos indivíduos superdotados o Q.I. é superior à 130, sendo que a média para a população geral é 100 a 110. Entretanto, a caracterização de um indivíduo superdotado vai muito além do QI, um número atribuído por um sistema padronizado, e deve envolver a análise aprofundada da personalidade e das habilidades da criança.

Seria possível ensinar uma criança até se tornar superdotada?

Diferentemente de uma habilidade, que pode ser adquirida através do aprendizado, a superdotação é entendida como um talento, uma aptidão inata; ou seja, o indivíduo nasce superdotado, e necessitará de um ambiente que lhe ofereça condições para exercer essas capacidades de forma adequada. Estes indivíduos, além das elevadas capacidades intelectuais, criativas ou artísticas tem forte espírito de liderança, e frequentemente se destacam numa determinada área acadêmica. Sabe-se que se trata de um fenômeno com marcadores genéticos, porém a vivência num ambiente com melhores recursos e estímulos promovem um desenvolvimento cada vez maior das capacidades mentais do superdotado.

Os superdotados são bons em tudo que fazem?

Os superdotados não precisam ser bons em todas as áreas, para serem considerados como tais. A superdotação pode ser geral ou específica para alguma área do conhecimento. Por exemplo, uma pessoa pode apresentar uma capacidade extraordinária em matemática ou na música, porém na área linguística, suas competências não serem igualmente superiores.

Quais são as principais características das pessoas superdotadas?

Embora não exista um padrão comportamental homogêneo entre os indivíduos superdotados, há um conjunto de características que podem servir como indicativos na avaliação da superdotação. Vale ressaltar que os superdotados podem apresentar diversas dessas características, mas não necessariamente todas elas. Os traços observados são os seguintes:

  • Desenvolvimento neuropsicomotor precoce: a criança engatinha, anda e fala mais cedo do que o esperado, com vocabulário avançado para a idade;
  • Habilidade superior para manutenção da atenção;
  • Ótima capacidade de memória com elevada e rápida capacidade de aprendizagem;
  • Persistência e motivação para a resolução de problemas;
  • Aquisição precoce da leitura;
  • Habilidade acima da média com números e aritmética;
  • Curiosidade incomum, desejo de aprender e capacidade de elaborar questionamentos de forma ilimitada;
  • Interesses em áreas específicas, podendo tornar-se especialista no assunto;
  • Criatividade;
  • Sensibilidade elevada, podendo apresentar fortes reações em relação a parte sensorial (ruídos, odores, dores), e especialmente à frustração;
  • Comportamento de liderança;
  • Energia elevada, o que pode ser confundido com hiperatividade, especialmente quando não estimuladas adequadamente;
  • Aguçada percepção de relações de causa e efeito;
  • Facilidade para estabelecer generalizações, ou seja, transferir aprendizagens de uma situação para outra;
  • Elevado senso crítico: rapidez em identificar contradições e inconsistências;
  • Pensamento divergente: habilidade em encontrar diversas ideias e soluções para um mesmo problema;
  • Tendência ao perfeccionismo.
  • Engajamento ou motivação acima da média de seus pares.

Há diferenças no cérebro das pessoas superdotadas em comparação às pessoas com inteligência normal?

Uma pesquisa conduzida pelo National Institute of Mental Health, nos EUA, mostrou diferenças no desenvolvimento cerebral de crianças com Q.I. elevado, quando comparadas com crianças com inteligência normal. Esse estudo apontou, através do uso de Ressonância Magnética, que a córtex cerebral de crianças com Q.I. superior a 121, atingia sua espessura máxima mais tarde do que o esperado. Por exemplo, aos 12 anos de idade, ao invés de 8 a 9 anos, em média, e após atingir essa espessura, o processo de maturação do córtex ocorria numa velocidade muito mais rápida. Tendo em vista que o córtex cerebral é a estrutura responsável pelas funções mentais mais complexas, e a área cortical pré-frontal relacionada ao planejamento, organização e controle, os dados da pesquisa podem explicar a facilidade da criança em resolver problemas de grande complexidade.

O superdotado pode se deparar com algum tipo de dificuldade?

As crianças superdotadas podem eventualmente sofrer de problemas no ajustamento socioemocional. Uma vez que o desenvolvimento das capacidades mentais e intelectuais encontra-se muito acentuado, e incompatível com os pares da mesma idade, é comum que o superdotado tenha prejuízos na interação social, devido à dificuldade em compartilhar os mesmos interesses. Alguns acabam por se relacionar com crianças mais velhas ou adultos, ou até mesmo podem apresentar um grande apreço pela solidão. Se a criança superdotada não for auxiliada pela família ou até mesmo por um profissional para lidar de modo adequado com sua condição, esse desajuste socioemocional pode evoluir para problemas de personalidade ou até depressão e ou traços de agressividade. Contudo, se o nível de dificuldade social for muito grande, pode ser que a criança não seja somente superdotada, mas, pode também apresentar uma condição chamada Síndrome de Asperger. Portanto, é fundamental que a criança com características de superdotada ou com muita dificuldade social ou emocional seja avaliada por um neuropsicólogo, para que seja apurado o seu devido diagnóstico e orientações sobre o seu desenvolvimento.

Como lidar com um filho superdotado?

É no campo emocional que se encontram algumas das maiores demandas dessas crianças, e dessa forma, os pais devem auxiliá-las a ter um desenvolvimento psicológico mais saudável possível. A superdotação só oferece vantagens se os aspectos psicossociais se encontram ajustados.

Quais são as dicas para os pais?

  • Oferecer um ambiente com recursos que estimulem continuamente as capacidades mentais da criança;
  • Evitar a supervalorização e as expectativas quanto ao desempenho da criança; ela mesma, em geral, já é muito exigente, e os pais devem aceitar falhas e ajudar a criança a enfrentar dificuldades de qualquer ordem.
  • Ajudar a criança a lidar com frustrações emocionais; apesar do superdotado não passar por dificuldades no aspecto acadêmico, o fracasso faz parte de outros contextos da vida, e prepará-lo para isso é favorecer seu desenvolvimento emocional saudável;
  • Não se esquecer que, embora possua capacidades avançadas para sua idade o superdotado deve ser tratada de acordo com a sua faixa etária de desenvolvimento.

 

O que fazer se você suspeita que seu filho é superdotado?

Caso você perceba que seu filho está muito diferente dos amigos, e que sua capacidade de aprendizagem e habilidade mental são elevadas, leve-o para fazer uma avaliação específica com um psicólogo experiente neste assunto, ou, de preferência, um neuropsicólogo, que irá fazer uma avaliação ampla com aplicação de testes de inteligência, avaliará a personalidade, o aspecto social e afetivo da criança. Uma avaliação neuropsicológica poderá precisar se as potencialidades estão realmente acima da média de outras crianças.

A partir de que idade é possível avaliar?

A padronização dos testes de QI (Escala Weschler para crianças – WISC), com tabelas normativas existe a partir dos 6 anos completos. Antes desta idade é possível fazer uma avaliação qualitativa, mas para o cálculo do QI é necessário que a criança tenha 6 anos completos. Outros testes podem ser aplicados antes dos 6 anos, mas, não tão completos quanto o Wisc, em sua versão IV.

O que um psicólogo habilitado pode fazer para ajudar?

Um psicólogo e/ou neuropsicólogo  treinado pode: a) detectar possíveis pessoas altamente habilidosas por meio de avaliações específicas; b) no caso de crianças, orientar suas famílias e professores; c) encaminhar crianças altamente habilidosas à escolas que possam suprir a necessidade de estimulação, enviando relatórios das avaliações feitas nas diferentes áreas; d) orientar, aconselhar e encaminhar superdotados, desafiando-os a se desenvolver psicologicamente de forma global.

Bjs

Claudia Hakim

Sobre Claudia Hakim

Advogada Especializada em Direito de Educação e Especialista em Neurociência e Psicologia Aplicada Autora do Blog e grupo no Facebook voltado para a Educação de Crianças Superdotadas : “Mãe de Crianças Superdotadas : www.maedecriancassuperdotadas.blogspot.com Membro Fundadora do Instituto Brasileiro de Superdotação e Alterações do Neurodesenvolvimento (IBSDND) Contato : claudiahakim@uol.com.br/ Fone : (11) 35113853

Veja também

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 | Deficiência Intelectual Leve

Direitos Educacionais dos alunos com QI abaixo de 90 – deficiência intelectual leve. Direito ao …

9 comentários

  1. Cátia Simone Gomes

    Bom dia,

    meu nome é Cátia e tenho uma filha de 1 ano e 2 meses, e tbm estamos com a suspeita de que ela é uma criança acima da média, estou à procura de uma especialista em Goiânia-GO, pode me indicar alguma?Algumas das coisas que a minha filha faz: começou a falar muito cedo, por volta dos 6 meses disse sua primeira palavra de 2 sílabas, hoje fala mais de 20 palavras e já tenta formar frases, faz associações lógicas como: viu uma caixa de cerveja e me disse água papai, meu sogro falando ao telefone com o pai dela (joão Paulo) e a minha sogra perguntou: mas Maria Flor quem é JOão Paulo e ela respondeu na hora: é papai, ela sabe que Cátia é mamãe. Identifica vários animais em seus livrinhos, pergunto por exemplo: onde está o macaco, o peixe e assim por diante ela aponta para o animal. Se ela não sabe falar o nome do animal ela demostra alguma característica dele. Já fala quando faz cocô. Já obedece a alguns comandos como: eu estou na sala e peço a ela que pegue alguma coisa no quarto e traga pra mim e assim ela o faz.

    • Cátia,

      Sua filha é muito nova para você saber se ela tem superdotação. Venha participar do meu grupo do face chamado Mãe de Crianças Superdotadas e acompanhar a evolução dela ali. Quando ela tiver dois anos e meio , a depender do local que você morar e das características que ela estiver apresentando você pode procurar avaliação . Não são todos os profissionais que avaliam crianças tão novas . Mas, se ela tiver algum problema no desenvolvimento ou comportamento dela é bom leva -la a um neuropediatra. Se Ela estiver indo bem e você verificar somente facilidade de aprendizagem , procure por uma avaliação neuropsicólogica.

  2. Eva dos Santos dar fernandes

    Boa tarde,minha filha ta 12 anos, desde os 7 anos venho notando algo diferente , ela vê algo e executa com muita falidade tem uma percepção nas aguçada das coisas a sua volta, e de ppucos amigos, e muito observadora de tudo, entende algumas situações que não são pra usar dela, a vejo com uma sabedoria que não é exatamente pra idade dela
    Gostaria de uma ajuda ond e posso leve la pra que seja analisado o caso dela, Sou de Brasília DF.

    • Eva,

      Neuropsicóloga Marli Campos (ex-presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia aqui em Brasília) e ela me confirmou que além de psicóloga e psicopedagoga, também é neuropsicóloga. Tem bastante experiência com crianças e adolescentes. O telefone de contato dela é: 8140-5577.

      Dra. Celi (da Psicoclinica) neuropsicologa: 3225-6571.

      Psicóloga Tânia Guimarães (especialista em sd) : 061 99787555

      Neuropsicologo : Ricardo Mendes Gomes Pereira : (61) 3554 6191 – (61) 9202-3003

      ricardomgp@gmail.com
      Centro Medico Julio Adnrt – Torre A – sala 309/310
      Asa Sul lote A – SEP Sul 709/909.

      Tem um grupo no Facebook, que é de uma amiga minha, que tb é superdotada e mãe de crianças superdotadas, que se chama “A MELHOR ESCOLA DE BRASÍLIA” e neste grupo tem um tópico sobre altas habilidades/ superdotação em que as mães comentam sobre escolas que saibam lidar com crianças superdotadas, inclusive escolas públicas.

      Este grupo da Tatiana Wambier, aqui no face que se chama : A Melhor escola de Brasília e ali tem dicas de várias escolas.Vale à pena você consultar o grupo e pergunte, aqui neste tópico, também, sobre suas dúvidas : https://www.facebook.com/groups/584984478242996/

      Venha participar do meu grupo do face chamado Mãe de Crianças Superdotadas !

      Tem uma associação de pais de Crianças com altas habilidades em Brasília!

  3. Raquel de Oliveira

    Boa tarde Dra…solicitei sua amizade no face pois gostaria de participar do grupos de mães de filhos superdotados…
    Meu filho sempre foi diferente das outras criança sempre quietinho sempre num mundo só dele, antes dos dois anos de idade começou a ler e contar os números, frequentava creche e todos admiravam se jeitinho ,não queria brincar ficava nervoso porque queria mexer nos livros ,seu brinquedo inseparável eram as calculadoras onde ele ia ganhava uma de presente, no supermercado ao invés de me pedir coisas ficava encantado com os preços e repetia os comercias da TV relacionado aos produtos ,quase não falava mais lua tudo aos três anos sabia o nome do endereço completo dos aluno da escolinha sabia os números de telefone da famili a inteira,as placas de carros e ao longo do tempo o nome das ruas da cidade em fim eu ficava assustada e sem recursos ,mandei cartas para programas de TV, como Gugu, Netinho,Raul Gil, super nani mas ninguém acreditava na minha história na super nani ainda me disseram que era muito fabuloso minha história é que nao5 conheciam nenhum caso parecido, Eu estava em pânico era muita informação numa cabecinha muito pequena achei que meu filho ia enlouquecer e cada dia mais novidades a essa altura já contava números até mil e o abecedário inteiro, seus brinquedos eram ouvir a de matemática, lista eletrônica e seu programa de TV era o da cultura que nem me lembro direito más era algum a coisa sobre Pitágoras ele adorava e brincava com a cesta de legumes da cozinha imitando os episódios eu via tudo aquilo e ficava assustada ,por outro lado ele tinha grandes dificuldades com coisas simples do dia a dia ,saio das fraldas com mais de quatro anos ,foi conseguir amarrar sapatos do aos dez anos , e até hoje tem dificuldades com coisas simples. Não aguentando mais ver tudo aquilo sozinha procurei o prefeito da cidade e contei minha história ,então ele me disse que infelizmente não podia me ajudar pois o nosso governo não está preocupado com crianças prodígio do que eles fazem é adaptar crianças com dificuldades ao mundo normal e não ao contrário.bem me sentia sozinha e perdida desde um ano de idade meu filho frequentava a creche e depois passou pra escola particular até os dez anos ele sofria bullying não sabia se defender aceitava e chorava eu conversava muito com ele e a gente ia levando a vida. Até que minhas condições financeiras diminuíram e tive que por ele na escola pública as coisas pioraram muito ele começou ter fortes crises de nervosismo e intoletancia as críticas então resolvi procurar psicólogos pra me ajudar e asd fui levando até ele ir para escola do estado ai sim ele começou ter muitas crises e chegou a apanhar de alunos na escola eu era chamada quase todo dia para busca-lo ele não queria ir mais pra escola, então pedi para psicola me indicar uma psiquiatra pra ele tomar medicação pra se acalmar nesse período ele começou ter depressão e angústia fortes dores de cabeça. Fiz vários exames e não deu nada.hoje ele tem 13 anos passa por psicólogos e psiquiatras toma dois tipos de remédio e de quadro de nervosismo só piora…ele é medalhista de bronze e de prata das olimpíadas de matemática…passou por análise através da delegacia da educação seu diagnóstico foi que seu QI está acima da média para um adulto disseram que eu tinha que por ele numa escola melhor do que a única escola que tem período integral não tem vagas. Hoje em dia eu e ele vivemos uma loucura eu não sei como ajuda-lo com seu comportamento de agressividade e ansiedade já tentou o suicídio porque se apaixonou e não foi correspondido muito pelo contrário não soube lidar com a rejeição, Não gosta de ir pra escola diz que já sabe tudo, quer ensinar os professores, não tem amigos aliás nunca teve pois os meninos da sua idade não tem paciência com suas conversas que são totalmente diferentes muito técnica até mesmo um assunto como futebol pra ele não basta a alegria do gol ele entra na técnica do jogo, questiona as indústrias automobilística ,alimentícias,história da humanidade, astrologia é o que mais gosta. Todo e qualquer assunto que pra nós é banal ele sempre tem um argumento técnico pra ser discutido e isso cansa qualquer um até eu que sou a mãe fico cansada de tanta coisa que ele tem pra falar e como ele não tem com quem dividir tudo isso sobra pra mim…enfim são tantas coisas que tem horas que penso que vou enlouquecer…só pra finalizar eu fiquei viúva ele tinha apenas dois anos é meu único filho e desde então deixei tudo me anulei pra cuidar dele só temos um ao outro …previso de uma orientação você pode me ajudar ??? Desde ja5 te agradeço muito Obrigada!! !

  4. meu filho tem 13 anos nunca prestava atencao na aula sempre atrapalhou as aulas sempre teve pessimo comportamento mais sempre tirava notas altissimas agora com 13 anos a escola me chamou desconfiada que ele possa ter a superdotacao nao sei o que fazer ou quem preocurar ou se deixo como ta me ajude.

    • Vanessa, procure uma avaliação neuropsicologica. Se precisar de indicacão se profissional confiável, m diga de qual cidade e estado você é. Se há queixas comportamentais, deve ser averiguado.

  5. Eloisa,

    De qual cidade e estado você é?

    Posso te indicar uma avaliadora dependendo do estado que você residir. São poucos e raros os profissionais que conseguem avaliar uma criança para possível Superdotação aos 2 anos, mas uma consulta a uma neuropsicologa deve ser feita, ainda que ela não tenha ao seu dispor os testes específicos para este tipo de avaliação, para acompanhamento do desenvolvimento da criança. Ainda mais porque outras condições podem co existir ou se confundir com a superdotação e o quanto antes isto dor Identificado , melhor.

    Sobre o contato com outras mães de crianças superdotadas, venha participar do meu grupo no Facebook, que se chama Mae de Crianças Superdotadas e procure o meu blog que tem este mesmo nome.

  6. Eloísa Aline

    Estou com sérias suspeitas de que meu filho de dois anos possa ser superdotado. Gostaria de saber quem posso procurar, onde posso leva-lo para confirmar isso, e dar a ele a educação adequada. Gostaria de falar com outras mães de crianças com a mesma idade. Ele não gosta de brinquedos convencionais, mas quebra o controle remoto e monta te outra vez. Ele vai a um Park de diversões, mas não brinca como as outras crianças, mas se interessou por manusear os brinquedos como se ele fosse o operador de máquinas. Ama o computador e sabe ligar desligar mudar letra maiúscula minúscula separar. . . Não gosta de TV. Nem música , mas gosta de produzir o próprio som com panelas colheres. Tem liderança, e aí mora muito da nossa dificuldade. Ele não aceita a nossa liderança. Ele é super organizado, não dorme se o quartinho estiver bagunçado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.