Home / Colunistas / Dra. Claudia Hakim / Cuidados ao procurar profissionais para avaliar superdotação

Cuidados ao procurar profissionais para avaliar superdotação

O cuidado que os pais devem ter ao procurar profissionais para avaliar uma criança com indicativos de superdotação

Primeiramente, convém iniciar este texto, informando que uma avaliação psicológica ou neuropsicológica, para apurar se uma criança tem ou não superdotação, não deve se centrar tão somente no fato de se a criança tem ou não superdotação e parar por aí. A avaliação deve incluir, além dos testes de inteligência, também uma anamnese completa  e detalhada, incluindo perguntas sobre os pais, as condições da gravidez da criança, o parto e o seu desenvolvimento até a data da avaliação, bem como o profissional deve fazer uso de outros testes neuropsicológicos, de acordo com as características, queixas, sintomas e comportamentos relatados pelos pais, pela escola e observados pelo profissional, em consultório. Isto porque, por vezes, além da superdotação a criança pode apresentar outras características que podem pertencer a um outro diagnóstico, sendo os mais comuns o de TDAH, a Síndrome de Asperger, a Ansiedade, e outras alterações do Neurodesenvolvimento.

avaliar-superdotacao

Foto: Reprodução mathesonpsychology.com

Cada uma das queixas, sintomas e características trazidos pelos pais e pela escola deve ser analisada sob vários pontos de vista, que não somente das altas habilidades/superdotação, e sem viés para um lado (o da superdotação) como para outro (do autismo ou do TDAH), mas também excluindo determinadas hipóteses diagnósticas tais como as citadas acima. Para tanto, outros testes neuropsicológicos, para atenção, distração, habilidades sociais, empatia, comunicação, etc, deverão ser aplicados, para que a avaliação realmente apure e exclua toda eventual condição que o paciente possa apresentar, ALÉM DA EVENTUAL  SUPERDOTAÇÃO.

É muito comum de eu receber, nos meus grupos do Facebook, escritório ou por e-mail, relato de pais que acreditam que determinada precocidade de seu filho sugere uma superdotação e estes pais sequer desconfiam que além da tal precocidade ou habilidades, a criança possa apresentar um outro diagnóstico de Transtorno do Espectro do Autismo, Síndrome de Asperger ou TDAH. E estas hipóteses, se não forem identificadas e tratadas da maneira adequada, o quanto antes, poderão trazer muitos prejuízos no desenvolvimento, comportamento e aprendizagem da criança, se mal ou equivocadamente ela for diagnosticada.

Exemplos comuns, que, infelizmente, presenciei no meu grupo de Facebook de testes defasados, são o de LAUDOS QUE SE UTILIZAM DE TESTES DE INTELIGÊNCIA DEFASADOS, tais como o WISC III, AO INVÉS DO WISC IV, ou que utilizam somente o teste chamado Colúmbia (que avalia a idade mental e já está ultrapassado, inclusive, sem que outro teste de inteligência seja aplicado), ou então, uma avaliação numa criança com indicativos de superdotação, em que o profissional somente avalia a inteligência lógico/abstrata da criança, através do teste de inteligência chamado RAVEN. Também fica incompleta esta avaliação.

Outro cuidado que os pais de pacientes que buscam um diagnóstico “para superdotação” devem tomar, é o de conferir o currículo do profissional que avaliará a criança. Hoje em dia, os curriculum lattes e outras informações do profissional podem ser facilmente encontrados na Internet e devem ser consultados pelos pais, sempre, antes de contratarem o profissional que fará a avaliação de seu filho. Também devem ser consultado o CRP do psicólogo (ou neuropsicólogo). Parece um absurdo que eu sugerindo isso, mas já presenciei alguns casos EM QUE O PROFISSIONAL QUE APLICOU O TESTE WISC NÃO ERA PSICÓLOGO  e sim psicopedagogo, sem formação em psicologia, ou até mesmo um estagiário ou aluno do curso de psicologia. Somente psicólogos podem aplicar os testes de inteligência. Se um psicopedagogo não tiver se graduado em psicologia e não tiver o CRP, ele não pode aplicar o teste de inteligência. E uma avaliação destas, se não utilizar o SON R (para crianças menores de 6 anos) e o WISC IV (para maiores de 6 anos) deve ser olhada com muito cuidado.

Desconfiem, também, de avaliações que são aplicadas por um profissional e quem assina o laudo é outro (neste caso, em geral, quem assina o laudo é um psicólogo que tem o CRP e quem aplica os testes é alguém que não tem formação específica da área) e o resultado disso já foi desastroso : Um laudo que ERROU NA SOMA DOS SUBTESTES DO WISC IV E APONTOU QUE UMA CRIANÇA ERA SUPERDOTADA (com QI de 146), quando na verdade, o que ela tinha era TDAH e um QI mediano (QI de 110). Nem preciso dizer quantos transtornos esta criança não teve, ao ser criada como uma criança superdotada (afinal de contas, o laudo apontou um QI muito superior de 146), quando ela tinha TDAH e um QI médio e muitas dificuldades de aprendizagem !

É muito triste que tenho constatado que existem maus profissionais neste mercado, bem como profissionais sem caráter, que se fazem passar por psicólogos ou por especialistas da área, quando, na verdade, eles fazem uma avaliação equivocada, incompleta ou com uso de testes defasados. Me preocupo, muito, com o bem-estar das nossas crianças, por isso me sinto no dever de adverti-los, pais, para que busquem uma avaliação com um profissional confiável, de preferência que seja neuropsicólogo ou com um psicólogo que tenha muita experiência na área. Quem quiser, pode participar do meu grupo no Facebook, o Mãe de Crianças Superdotadas[1], que eu indicarei profissional confiável para fazer este tipo de avaliação.

[1] https://www.facebook.com/groups/213399982041957/

Você também vai gostar de ler:

– Diferença entre superdotação, altas habilidades e inteligência superior
– Dupla excepcionalidade – Quando a superdotação vem acompanhada de alguma outra condição que limita o desempenho acadêmico e o desenvolvimento comportamental da criança
– Habilidades fabulosas nem sempre são sinais de superdotação.
– Aceleração de série para alunos superdotados

Sobre Claudia Hakim

Advogada Especializada em Direito de Educação e Especialista em Neurociência e Psicologia Aplicada Autora do Blog e grupo no Facebook voltado para a Educação de Crianças Superdotadas : “Mãe de Crianças Superdotadas : www.maedecriancassuperdotadas.blogspot.com Membro Fundadora do Instituto Brasileiro de Superdotação e Alterações do Neurodesenvolvimento (IBSDND) Contato : claudiahakim@uol.com.br/ Fone : (11) 35113853

Veja também

Terrible two: Crianças com 2 anos, dê opções para evitar complicações

Terrible two é o nome dado à primeira adolescência do bebê, fase dos 2 anos em que o "Não" vira a palavra preferida! Veja as dicas para evitar birras.

2 comentários

  1. Sugiro que, sempre que os pais acharem que há suspeita de superdotação, que procurem um neuropsicólogo para proceder a avaliação.

  2. Uma outra coisa curiosa nessa questão de superdotação, à ser avaliada por um profissional, está capacidade da resposta da mente em situações de possível ameaça à sua condição psicoemocional. Ser humano desenvolve uma característica (como mecanismo de defesa inconsciente) de auto-desafio, cujo propósito é o de manter o (próprio) corpo de que o transporta, em estado de equilíbrio psíquico e emocional. Para isso pode dispor de vários recursos, fazendo uso concomitantemente com o lado consciente, dos mesmo sentidos de percepção, especialmente visão e audição. Pode fazer uso e desenvolver habilidades, que será trabalhadas através da característica de auto desafio. Sendo assim, perfis de autodotação pode representar, num primeiro instante um recurso de mecanismo de defesa inconsciente, podendo ser momentâneo ou permanente, cuja condição irá depender do ambiente em que está inserido. O que eu sugeriria nesses casos (como Psicanalista) é que os pais aguardassem mais um pouco e deixar a criança livre (com supervisão dos pais), para ver se a dotação será mantida, desenvolvida ou cessada e também, se tal característica esteja provocando algum tipo de desconforto emocional ou orgânico, como dor de cabeça, stress contínuo, isolamento e outros.
    Pode-se ainda tranquilizar a criança à cerca dos sintomas (se caso não houver os desconfortos citados) que pode ser apenas um dom (talvez herdado geneticamente por algum parente distante). Obrigado.

    Professor Amadeu Epifânio
    Psicanalista

    Personalidade Reativa Comportamental
    Influência Pregressa em Resposta Emocionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.