Home / Filhos / Educação e comportamento / Terrible two: Crianças com 2 anos, dê opções para evitar complicações

Terrible two: Crianças com 2 anos, dê opções para evitar complicações

Terrible two, ou “terrível fase dos dois anos”, apesar do apelido um pouco intimidador, não é considerado um exagero pela grande maioria de papais e mamães com filhos nessa faixa etária.

O comportamento controverso dessa fase, também chamada de primeira adolescência do bebê, tem uma explicação científica, por volta dos dois anos de idade a criança começa a se enxergar como indivíduo, um ser independente do corpo da mãe e que possui vontade própria. Seu cérebro, então, começa a explorar as possibilidades e fazer escolhas é inevitável e quase que incontrolável para a criança.

É por isso que, ao mostrar uma roupa para vestir você ouve tantos “não quero essa”, mesmo sabendo que aquela é a camiseta de herói preferido do seu filho. Não é que a criança não gosta da sua sugestão, ela simplesmente tem necessidade mostrar que pode escolher.

Você prepara aquele jantar delicioso com arroz, feijão, saladinha e franguinho grelhado, decora o prato do seu filho para ouvir “não quero isso, eu quero macarrão”!

Com a maior boa vontade (e um pouco de frustração) você volta para o fogão e prepara o tal macarrão que seu filho pediu. Ao colocar no prato da criança o tal do “não quero isso” aparece mais uma vez, e desta vez acompanhada com uma feição de interrogação e braveza da mamãe ou papai:
Mas não foi você quem pediu para comer macarrão?

Você se esforça para agradar e continua ouvindo o tal do não quero!

É mais uma vez a tal da necessidade da criança em mostrar que ela tem vontades, que é um indivíduo. Enfim, o tal do terrible two não é brincadeira de criança.

Foto: Reprodução www.modernmom.com
Foto: Reprodução www.modernmom.com

Como driblar o desejo de escolha do terrible two

Existe uma técnica que pode lhe ajudar a driblar os constantes “não quero esse” de seu filho.

Apresente sempre duas opções que estejam dentro da sua vontade, por exemplo:

Na hora de vestir:

– na hora de se vestir, selecione dois conjuntos de roupa e deixe claro que a criança pode escolher apenas uma opção. Se ela quiser uma terceira opção diga que não existe, ela só pode escolher entre as quais você ofereceu ou então você realizará a escolha por ela.

Na hora de comer:

– antes de colocar a comida no prato, pergunte em qual dos dois pratos (louça) a criança quer comer. Após a escolha coloque a comida que você preparou. A escolha do talher também pode entrar nessa negociação se você quiser.

Na hora de arrumar a bagunça:

– se você quer que seu filho recolha um brinquedo no chão você pode oferecer as seguintes opções: Você quer guardar o brinquedo sozinho, ou você quer que eu te ajude? Se ele optar pela ajuda não realize a tarefa sozinho, vá junto com a criança dando as coordenadas de cada passo que ela deve realizar.

Na hora de obedecer a uma ordem:

– você pediu para seu filho entrar no carro e ele se negou? Ofereça as seguintes opções: você quer entrar no carro sozinho ou quer que eu coloque você no carro? Na grande maioria das vezes a criança vai optar rapidinho por entrar sozinho.

Com essas dicas você terá mais tranquilidade para passar, junto com seu filho, por essa etapa do desenvolvimento, mostrando ao pequeno que ele tem opções e pode escolher, mas atenção:

Só ofereça opções plausíveis e que você poderá cumprir.

Oferecer ao seu filho opções que não são possíveis causará frustrações e sua credibilidade também será atingida, indo por água abaixo a técnica que ensinei. Por exemplo:

– Venha tomar banho agora ou todos vão sair e você vai ficar sozinho em casa.

Você não deixará seu filho sozinho em casa, mesmo que ele queira e tenha escolhido essa opção, então nada de opções impossíveis. Para este caso você pode usar as opções:

– Você quer vir tomar banho sem fazer manha, ou quer que eu vá pegar você para tomar banho e ficar sem o brinquedo favorito por hoje?

Falar claro, firme e olhando nos olhos da criança

Na hora de oferecer as opções para a criança, lembre-se: para que a criança entenda você precisa falar de forma clara, com voz firme (o que é diferente de falar alto) e, principalmente, olhando nos olhos de seu filho.

Para olhar nos olhos não adianta abaixar a sua cabeça, essa posição é intimidadora para a criança causando mais medo do que compreensão. Abaixe-se e fique na mesma altura que a criança, para que ela olhe para você de frente e preste atenção em suas palavras.

Você também vai gostar de ler:

6 Dicas para seu filho dormir bem e na hora certa
Meu filho não gosta de comer, o que faço?
Quando iniciar o desmame e como realizá-lo
Criança pode usar creme dental com flúor?


Conteúdo publicado originalmente em 06/03/2015 e atualizado em 22/08/2017

Sobre Almanaque dos pais

Conteúdo produzido pela equipe do Almanaque dos pais.

Veja também

Readequação de série por data corte e aceleração de série por superdotação

Diferença entre readequação de série por data corte e aceleração de série por superdotação Apesar …

2 comentários

  1. ARTEMIZA MANHICA

    OLA MAES MEU FILHO TA COM 1 ANO MAS NAO ANDA E NORMAL

    • Almanaque dos pais

      Olá Artemiza, tudo bem?
      Cada criança tem o seu tempo para firmar o corpo e começar a andar, o que não quer dizer que há algum problema. Algumas crianças só começarão a andar por volta dos 18 meses sem que isso signifique algum problema motor.
      Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.