Home / Colunistas / Dra. Claudia Hakim / Direitos dos Alunos com TDAH

Direitos dos Alunos com TDAH

Vocês sabiam que alunos com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) também têm direito à educação diferenciada, sendo público alvo do atendimento educacional especializado (AEE) e clientela da Educação Especial ?

menino escola02

Apesar do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade não ser um transtorno de aprendizagem, de acordo com o Manual de Psiquiatria atual e o CID -10, ele traz como causa secundária uma DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM e, muitas vezes, ele é associado (em forma de co-morbidade) com algum outro transtorno de aprendizagem (Dislexia, Disgrafia ou Discalculia, ROHDE et al., 2003), o que justifica ainda mais a necessidade de intervenção de um atendimento educacional diferenciado para o referido aluno.

Todo final de ano sou muito procurada, para orientar os pais de alunos que foram retidos de série e/ou entrar com algum tipo de recurso para discutir a (repetência) de um modo geral. Saiba mais sobre Retenção de série.

Alguns destes pais que me procuram acabaram de descobrir que seu filho tem TDAH em alguma de suas especificidades e esses pais só tiveram o laudo médico, atestando tal condição, bem no final do ano letivo e querem saber se há algo a fazer para reverter a decisão de retenção. Eu entendo que, neste caso, em que o diagnóstico só foi descoberto no final do ano letivo, há muito pouco a se argumentar.

Contudo, nos casos em que os pais dos alunos com TDAH ou Transtornos de Aprendizagem, já apresentaram o laudo, comprovando a condição de aluno com necessidade educacional especial, desde o início do ano letivo ou até meados do ano letivo, entendo ser cabível recurso perante a escola, num primeiro momento, e posteriormente, perante a Diretoria de Ensino ou respectivo órgão competente, para questionar a legalidade da decisão que reteve a criança de série, baseada no fato de que o aluno em questão necessita de uma educação especial (com direito a atividades, avaliações e provas diferenciadas, com mais tempo, com ledor, se necessário for) e que a escola não lhe ofereceu de forma adequada, bem como flexibilização de currículo, apoio pedagógico adequado para atender às necessidades educacionais especiais deste aluno.

Se a escola não ofereceu tudo o que poderia e deveria para o aluno que apresenta TDAH ou algum transtorno de aprendizagem ou Deficiência, de forma a evitar a retenção de série do aluno, a decisão que o reteve de série pode e deve ser reapreciada e discutida, pois quem vai sofrer as consequências destes atos, porque a escola se recusou a dar um atendimento educacional especializado, é a criança e os seus pais.

A Lei 9.394/96 reforça, nos artigos 58 e 59, a importância do atendimento educacional a pessoas com necessidades especiais, ministrado preferencialmente em escolas regulares. Estabelece, também, que sejam criados serviços de apoio especializado e assegurados currículos, métodos e técnicas, recursos educativos e organizações específicas para atender às peculiaridades dos alunos. Destaca, ainda, a necessidade de capacitar docentes para as Dificuldades de Aprendizagem.

No Brasil, os atuais critérios de definição da clientela da educação especial encontram-se elencados no documento Política Nacional de Educação Especial, publicado em 1994 pela Secretaria de Educação Especial – SEESP – do Ministério da Educação e Desporto – MEC. De acordo com esse documento, tal clientela é constituída por três grandes grupos, cada qual reunindo um numeroso grupo de tipos e graus de excepcionalidade.

No primeiro grupo, encontramos os Portadores de Altas Habilidades.

No segundo grupo, identificado como Portadores de Condutas Típicas e é aqui que se inserem os alunos com TDAH, a saber :

– indivíduos que apresentam alterações no comportamento social e/ou emocional, acarretando prejuízo no seu relacionamento com as demais pessoas.

No terceiro grupo, estão os Portadores de Deficiências.

Nossa Constituição Federal em seu Artigo 205, pretende garantir educação para todos, independentemente de suas especificidades.

O artigo 54, inciso III, do Estatuto da Criança e do Adolescente pode ser aplicado às crianças que apresentam TDAH e necessitam de uma educação especial.

Outro fator a ser observado, é se a escola ofereceu recuperações paralelas para a criança conseguir as notas necessárias, antes da recuperação final. Isto também pode ser matéria a ser levantada em eventual recurso a ser impetrado contra a diretoria de ensino, em caso de retenção.

A Resolução CNE/CEB Nº 02/2001 institui as Diretrizes Nacionais para a educação de alunos que apresentem necessidades educacionais especiais, na Educação Básica, e considera educandos com necessidades educacionais especiais os que, durante o processo educacional, apresentarem:

I – dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que dificultem o acompanhamento das atividades curriculares, compreendidas em dois grupos:

(…)

b) aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências. É neste inciso e letra que compreendemos o grupo dos alunos que apresentam TDAH.

O artigo 8º desta Resolução prevê que as escolas da rede regular de ensino (tanto as particulares quanto as públicas, leia-se) devem prever e prover na organização de suas classes comuns:

III – flexibilizações e adaptações curriculares que considerem o significado prático e instrumental dos conteúdos básicos, metodologias de ensino e recursos didáticos diferenciados e processos de avaliação adequados ao desenvolvimento dos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais, em consonância com o projeto pedagógico da escola, respeitada a freqüência obrigatória;

IV – serviços de apoio pedagógico especializado, realizado, nas classes comuns, mediante:
a) atuação colaborativa de professor especializado em educação especial.

Já o parágrafo primeiro do artigo 4º da Deliberação CEE/SP 05/00 estabelece que :
Art. 4° – O atendimento educacional aos alunos com necessidades educacionais especiais deve ser feito nas classes comuns das escolas, em todos os níveis de ensino.

§ 1º. – Os currículos das classes do ensino comum devem considerar conteúdos que tenham caráter básico, com significado prático e instrumental, metodologias de ensino e recursos didáticos diferenciados e processos de avaliação que sejam adequados à promoção do desenvolvimento e aprendizagem dos alunos com necessidades educacionais especiais.

Resumindo:

Os alunos com TDAH, Transtornos de Aprendizagem ou Deficiência têm direito à educação especial e avaliações, provas e atividades diferenciadas, durante o ano letivo. Caso estes direitos tenham sido desrespeitados e o aluno for prejudicado em seu desempenho acadêmico, pode ter a decisão de retenção de série revista e até mesmo anulada, mediante recurso. E, antes de chegar a este ponto, exigir que ao aluno em questão seja oferecido o atendimento educacional especializado que ele tem direito.

Sobre Claudia Hakim

Advogada Especializada em Direito de Educação e Especialista em Neurociência e Psicologia Aplicada Autora do Blog e grupo no Facebook voltado para a Educação de Crianças Superdotadas : “Mãe de Crianças Superdotadas : www.maedecriancassuperdotadas.blogspot.com Membro Fundadora do Instituto Brasileiro de Superdotação e Alterações do Neurodesenvolvimento (IBSDND) Contato : claudiahakim@uol.com.br/ Fone : (11) 35113853

Veja também

Terrible two: Crianças com 2 anos, dê opções para evitar complicações

Terrible two é o nome dado à primeira adolescência do bebê, fase dos 2 anos em que o "Não" vira a palavra preferida! Veja as dicas para evitar birras.

333 comentários

  1. Boa noite!
    Dra. e quando o professor/escola dá todo o suporte e mesmo assim o aluno não avança o suficiente, pode retê-lo?

    • Sonia,

      Se a escola ofereceu tudo o que estava ao alcance dela e o aluno não atendeu aquilo que lhe fora proposto, daí, sim, ela pode retê-lo de série. Mas, isto tem que ficar bem documentado, para que não gere nulidade da decisão que o considerar retido de série.

  2. Boa noite Dr. Claudia tenho um filho de 6 anos , ele esta passando com. A pisigopedagoa , ela esta fazendo uma bateria de exames. Para seber se ele tem a tdha.mas a escola dele toda semana me liga pra buscá-lo na escola. A pegadgoda da escola disse amim que não tenho autoridade sobre ele e que ele e o egocêntrico e bipolar …. Sai da escola destrida e dela pra ca me ligan toda semana pra eu ir buscalo na.escola …. Isso e certo ? Lugar da. Desja ja obg

    • Sarah
      Eu ldeckaroa verificar o que diz o regimento interno da escola e o contrato de prestação de serviços Par a lhe orientar melhor ,mas a ideia da avaliação é justamente descobrir o que ele tem, médica-lo, passa-lo em terapia e se quiser posso intermediar junto à Escola esta questão de você ter que ir na Escol a a fods hora pada buscar o seu filho. Havendo interesse em marcar uma consulta ,me avise.

      Atenciosamente,

      Claudia Hakim

  3. rosiane sacramento de araujo

    Bom Dia. Tenho um filho no ensino médio e a escola me informou que no ensino médio apenas o que muda para alunos com tdha e o aumento de uma atividade complementar, mais que não tem as outras mudanças que são de direito deles ou a média 5.0, Isso confere????

    • Rosiane,

      Não confere. Os direitos dos alunos com TDAH são os mesmos tanto no ensino fundamental, quanto no ensino médio quanto na Universidade. É a escola que está de má vontade para com o seu filho e suas necessidades educacionais especiais.

  4. MARIA OLIVEIRA NICODEM

    bom dia Meu filho e tdah, tem dificuldade na leitura, ele esta no sexto ano. Pode ter leitor em sala de aula p ele? e outra coisa pode ter duas provas no mesmo dia. ex. geografia e ed. fìsica.(escritas e bimestrais) Obrigado pela atenção.

    • Maria,

      Já foi excluída a hipótese diagnóstica de dislexia para ele ? Ele fez avaliação neuropsicológica também? Não há regras, nem lei específicas dizendo como deve ser realizado o atendimento educacional especializados dos alunos com TDAH e DISLEXIA, mas orientação a ser passada pela equipe que atende o aluno. Sugiro que a psicopedagoga que o atenda ou a neuropsicóloga que tenha feito a avaliação dele, ou até mesmo o médico façam uma prescrição por escrito e detalhada do tipo de atendimento que seu filho precisa. O ideal é que algum ou vários destes profissionais fossem até a escola para explicar o tipo de atendimento que seu filho precisa e, por fim, caso não surta efeito, você pode procurar a intervenção de uma advogado atuante na área do Direito Educacional ; do Ministério Púbico ou da Secretaria de Educação , Departamento de Educação Especial.

  5. Daniele Loures

    Boa noite Dr. Claudia Hakim
    Meu nome é Daniele Loures tenho um filho de 7 anos com diagnostico e laudo tdah misto, já entregue na secretaria da escola onde estuda, está em tratamento com todas as terapias e medicações necessárias.
    Porem em todas as terapias observa-se que a ansiedade nele a cada dia aumenta, pois exite um peso enorme numa criança que está a ponto de ter um surto, pois o tempo todo fica querendo surpreender escola/ familia com notas boas, ele não relaxa nem no fim de semana sempre perguntado sobre provas deveres etc…
    ele é bolsista e precisa obter 80% em notas para continuar a usufruir da mesma,pois pode perde-la por mau comportamento ou notas ruins estuda nesta instituição a 5 anos e ama a escola de paixão.
    Ele foi diagnosticado a 8 meses porém consegue acompanhar a turma, so que de uns meses pra cá esta muito sobrecarregado a auto estima muito baixa sempre chorando dizendo que não está dando conta de acompanhar a turma, não consegue terminar as tarefas em sala de aula sempre as termina em casa e as provas sempre fica faltando questões para acabar, está roendo as unhas até os dedos sangrarem,gola de blusa na boca e manga todo tempo!Hoje ele é tratado graça a Deus com os melhores especialistas aqui em BH no ambulátorio de tdah do Hospital João Paulo II, onde comecei a participar da ABDA e fui encaminhada para tratamento dele!
    Gostaria de saber se tem uma maneira de não ser exigido esse percentual dele ou seja no começo via que não estava causando tantos danos mesmo porque ele não tinha muita ciência era muito novinho, e outro agravante e que a escola adiantou ele 6 meses 2014 pois estava com problemas de comportamento e a professora da serie não conseguiu lidar com ele, este foi o unico momento que tive problemas com relação a comportamento dentro da escola como ele tem o intelectual e cognitivo muito acima da media, disseram que está seria a melhor solução, porém eu vejo que foi um erro pois hoje está com 7 anos no 3 ano e vejo que o seu emocional não acompanha os seus pares de sala de aula onde é sempre rotulado, e as vezes deixado de lado por não ter maturidade cronológica e emocional.
    Mesmo depois do laudo e conversas com a orientadora da escola sobre tudo com relação a ele ja fui varias vezes fala da sua baixa de estima e etc… a escola não me muita bola não fazem nada para ajuda-lo!tenho um video dele onde eu estudando com fiz uma pergunta como tinha feito uma questão e ele não soube me falar e depois começou a chorar dizendo que tinha copiado do colega e que as vezes ele faz isso para andar mais rápido ele chora muito e fala que tem medo da professora e que se sente muito atras dos colegas, eu assustei muito quando vi ele daquele jeito todo fragil e desanimado!
    não sei o que fazer preciso de uma luz!!!!

  6. boa tarde Dr. Claudia Hakim

    meu nome é Fausto Xavier, fui diagnosticado com TDHA tenho 37 anos, e estou fazendo graduação de odontologia, tenho o laudo do medico, psiquiatra, e todos os diagnostico feitos, passei para a faculdade tudo, mais o meu erro foi nao ter protocolado os documentos, mesmo assim eles mim reprovaram por besteira, não me deram assistencial neuma , nem um psicopedagogo,prova diferenciada,mais uma hora, etc… o que eu faço . eu estou desesperado e nao sei o que fazer.pelo amor de Deus mim ajude. ja fui la novamente para entregar os documentos e pedir para eles protocolassem, e eles não querem protocolar e já pedir para ter a retenção das disciplinas e nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione a opção desejada para ser notificado sempre que um novo comentário for publicado ou quando houver uma resposta para seu comentário.